Categorias
Conquistas

Como desenvolver um jogo no Unreal Engine?

Se você sonha em trabalhar na indústria de games, saiba que ter um portfólio faz toda a diferença para conquistar as melhores oportunidades. 

No curso de Unreal Engine da Mentorama, os alunos têm a chance de desenvolver um projeto real de jogo para um cliente, com auxílio de um mentor experiente.  

Com o objetivo de desafiar os estudantes e impulsionar seus currículos e portfólios, o projeto de conclusão do curso de Unreal consistiu no desenvolvimento de um jogo do zero no motor gráfico, em parceria com a The Vectromirror Initiative.

Confira abaixo como foi essa experiência.

Mas, o que é Unreal Engine?

Unreal Engine é um motor de jogos desenvolvido pela empresa Epic Games. O motor gráfico foi criado em 1998 para a primeira edição do Unreal Tournament, um jogo de tiro em primeira pessoa.

Atualmente, o Unreal é utilizado no desenvolvimento de inúmeros jogos como RPGs, ação, plataforma, corrida, esportes e aventura.

Projeto de conclusão de curso com The Vectromirror Initiative

Durante todo o curso de Unreal Engine, os alunos se deparam com uma variedade de jogos para compreenderem de forma geral o funcionamento do motor Unreal. 

No entanto, o trabalho final de conclusão de curso é um momento desafiador em que os conhecimentos e habilidades são utilizados na prática. O desafio dos alunos de Unreal Engine foi desenvolver um protótipo de jogo no motor gráfico do zero. 

Segundo o representante da The Vectromirror Initiative, Gabriel Orlandelli, a proposta livre do projeto de conclusão de curso tinha como intuito não limitar o gênero e tema do jogo para permitir que os próprios alunos escolhessem de que forma gostariam de desenvolver seus games.

Alunos do curso de Unreal Engine desenvolveram um jogo do zero para The Vectromirror Initiative

O prazo para desenvolvimento dos jogos foi de 45 dias – um tempo considerado limitado – e os alunos trabalharam desde a idealização até o planejamento e execução de seus games.

Por conhecermos os alunos, esperávamos que eles fossem entregar projetos interessantes e bem executados e, foi justamente o caso, mas mais do que isso, eles se dedicaram muito e entregaram projetos que nos surpreenderam de diversas formas, seja no conceito da idéia ou no nível da qualidade (Arte, Game Design, Programação, etc.)”, destaca Orlandelli. 

Quais são os desafios no desenvolvimento de um jogo?

Desenvolver um jogo do zero é um grande desafio que exige muita tentativa e erro. Como explica Gabriel Orlandelli, ao não limitar o gênero e tema do projeto há um risco dos estudantes terem dificuldades criativas e de escopo de projeto. Contudo, esses desafios podem acontecer também no mercado de trabalho. 

Além disso, o tempo pode ser um grande inimigo de um projeto. Ao produzir jogos, os desenvolvedores podem enfrentar obstáculos no meio do caminho, pois mesmo planejando bem, algumas dificuldades não esperadas podem surgir atrasando a entrega.

No entanto, não foi isso que aconteceu no projeto de conclusão de curso. Nesse cenário, de acordo com o mentor do projeto, Luciano Soares, por ser um protótipo, é comum que os jogos sejam muito embrionários, mas os resultados surpreenderam. 

“Mas tivemos um nível muito acima disso, com conceitos e até documentação inicial de apoio. Além das propostas terem sido totalmente diferentes e várias delas com possibilidades de avanço para projetos maiores”, aponta Soares.

Jogos desenvolvidos no projeto de conclusão de curso

Com uma proposta livre, os cinco alunos desenvolveram protótipos de jogos variados e com abordagens distintas.

Jogo educativo

O aluno Amadeu Terceiro desenvolveu um protótipo com temática educativa destinado ao estrangeiro e focado na aprendizagem de vocabulários da língua portuguesa. 

É um jogo “point-and-click”, em que o jogador clica em objetos em uma casa e na interface ele observa a grafia da palavra escrita ao mesmo tempo em que escuta o áudio em português do objeto clicado. 

Segundo Amadeu, o maior desafio foi programar utilizando blueprints para desenvolver os sistemas necessários, mas o contato com pessoas experientes contribuiu para o seu trabalho.

Jogo em primeira pessoa

O estudante Carlos Viana desenvolveu um jogo em primeira pessoa chamado “Urban Calls: Kraken” e consiste em uma sequência de histórias populares de terror.

O conto escolhido foi o do Kraken, com algumas modificações, sendo ambientado a partir da visão de um pai que tem a sua filha sequestrada e vai em busca do seu resgate.

Para Carlos, a experiência foi muito gratificante, pois foi possível se aprofundar em técnicas e ferramentas. “Pude ter experiência de como funcionaria o ambiente de um gamedev na prática, com prazos, listas e meetings sobre o desenvolvimento do projeto”, aponta.

Jogo scrolling shooter arcade

O aluno Edson Biral desenvolveu um jogo inspirado em R-Type, um game de nave antigo. O nome surgiu dessa mistura de Unreal com R-Type, resultando no nome: U-Type. 

O jogo conta com modos de jogo Arcade  (3 estágios), Survival (infinito com hordas progressivas), câmera dinâmica (uma câmera central fixa que mantém o foco no player) e multiplayer para até 4 jogadores locais, mas compatível com Steam Play Together (online).

O maior desafio foi o tempo para execução do projeto, pois o prazo de entrega era curto. “Mas como me comprometi, consegui concluir o protótipo e no final ainda coloquei uns modelos de naves mais bonitos do que os placeholders que eu estava usando”, destaca Edson.

Jogo de RPG Hack’n’Slash em terceira pessoa

O projeto desenvolvido pelo aluno Julio Crisanto foi de um jogo Hack’n’Slash básico, com sistemas simples de ataques, no qual o personagem deve avançar derrotando os inimigos. 

O jogo incluiu criação de personagem e suas habilidades, inimigos e chefão, sistemas, level design e implementação de artes e outras features. A maior dificuldade para Julio foi decidir como seria o projeto em pouco tempo. 

  “A experiência em desenvolver um jogo na Unreal é sempre fantástica, a Epic Games nos disponibiliza bastantes materiais de qualidade para que possamos avançar nos projetos, sem falar que acho mais fácil de se programar nela”, explica Julio.

Jogo de tiro em terceira pessoa

O aluno Nicholas Pedroso Francisco desenvolveu um jogo de Survival Horror, com influências de Resident Evil, The Last of Us, Days Gone e The Evil Within. A narrativa acompanha um personagem que tem sua vida modificada por uma explosão que infesta de zumbis. 

Para Nicholas a maior dificuldade foi integrar o Metahuman (personagem) com o Advanced Locomotion System (sistema mais realista de movimentação), o que demandou bastante tempo.

“Esse foi o primeiro jogo/protótipo ‘grande’ que eu desenvolvi 100% sozinho. Foi uma ótima experiência, ter quebrado a cabeça várias vezes para resolver um problema, pesquisar diferentes maneiras que algo poderia ser feito até encontrar a melhor solução”, conta Nicholas.

Ficou inspirado pelos projetos desenvolvidos e quer trabalhar com games? Entre em contato e descubra como podemos te auxiliar.