Categorias
Design

Trabalhe como designer: descubra algumas profissões

 

As profissões de design são algumas das que mais crescem no mercado de trabalho atual. De acordo com dados do Fórum Econômico Mundial, as habilidades em design estão entre as 15 competências que são consideradas de alta demanda dentro das organizações.

Atualmente, as possibilidades de trabalho na área de design são variadas e há muitas carreiras promissoras.

Neste artigo, nós separamos quatro profissões que podem te agradar. Segue o fio.

Leia também: Entrevista com Leonardo Moura, criador do canal no Youtube Palestino Design

UX & UI Design

UX Design é abreviação de User Experience e diz respeito ao Design de experiência do usuário. Já o UI Design se refere ao termo User Interface, que significa o design de interface do usuário.

Enquanto o UX designer foca o seu trabalho para garantir que o usuário tenha a melhor experiência ao utilizar um determinado produto ou serviço no ambiente digital ou físico, o UI Designer trabalha nas principais estratégias para que a interação entre usuário e produto digital seja a melhor possível.

São duas áreas de trabalho diferentes, mas que se complementam. Em resumo, um UX Designer pode ser UI Designer também. Contudo, esse profissional precisa ter o conhecimento e o domínio das ferramentas em ambas as áreas.

Leia também: Dicas para conquistar mais clientes como UX/UI Designer

Web Design

O profissional de Web Design trabalha com aparência, layout e, em alguns casos, com o conteúdo do site. Dessa forma, sua rotina de trabalho envolve execução de tarefas que estão relacionadas à criação de páginas na web.

Para executar seu trabalho de forma efetiva, o web designer precisa ter conhecimento de noções de estética e acessibilidade e estar constantemente pesquisando tendências e aplicações possíveis. 

Quatro pessoas trabalham juntas na imagem e representam profissões de design. Há duas mulheres e dois homens.
O web designer trabalha com aparência, layout e, em alguns casos, com o conteúdo do site

É o web designer que faz as pesquisas necessárias para descobrir os objetivos do cliente com o website, quem são os usuários que acessam e como criar o melhor produto possível. 

“O web designer é responsável por criar toda a experiência digital, elaborar toda a questão de fluxo e entender qual é a melhor opção pro usuário e como ele vai chegar até tal situação”, explica o Designer Gráfico da Duck Design Studio, Lucas Muller em webinar para Mentorama.

Design de Interiores 

O Designer de interiores é o profissional que cria os espaços e ambientes, que atendam as necessidades do cliente e despertem emoções. 

Para colocar seu trabalho em prática, o designer de interiores precisa ter conhecimento de cores, texturas, tecidos, acabamentos e domínio de ferramentas de software para design e criação de desenhos 2D e 3D. 

Se você tem curiosidade para saber mais sobre design de interiores, assista ao webinar gratuito com a fundadora do Estúdio ATA e Diretora do RedStudio, Ana Trolller:

Design gráfico

O Designer Gráfico atua em muitos setores e é o responsável por distribuir imagens, cores, fontes dos textos e outros elementos em peças gráficas.

É ele quem desenvolve a comunicação visual presente em produtos como embalagens, outdoors, catálogos, revistas, websites, logotipos e identidade visual de uma marca, por exemplo.

Além disso, o designer gráfico também pode trabalhar com design de produtos e atuar no desenvolvimento dos aspectos estéticos, funcionais e utilitários do objeto. 

O designer gráfico também pode trabalhar desenhando peças de vestuário, jóias, móveis, equipamentos médicos e peças de maquinário. Deu para perceber que é uma carreira bem versátil, não é mesmo?  

Quer saber mais sobre essa profissão?

Assista ao webinar gratuito  “1001 utilidades do Design Gráfico: do conceito ao dia a dia” ministrado pela designer Gabriella Ceragioli:

E aí, gostou de descobrir mais sobre as possibilidades de trabalho na área de design? Qual carreira você gostaria de seguir? Nos conte nos comentários!

Quer impactar sua carreira? Entre em contato e descubra como podemos te auxiliar.

Categorias
Design

Dicas para conquistar mais clientes como UX/UI Designer

Encontrar trabalho como freelancer em UX/UI pode ser algo intimidante, até mesmo para profissionais experientes. Contudo, abordando a questão da maneira certa, não é tão difícil assim.

Existem algumas técnicas que podem aumentar as suas chances de conquistar clientes.

Por exemplo, a maneira como você aborda o envio da sua proposta ou o uso de técnicas básicas para criar relacionamentos.

Confira a seguir 11 dicas poderosas da nossa parceira Awesomic.io, que ajudarão você a conseguir trabalhos de forma consistente como designer freelancer de UX/UI.

Preparação

Seja claro no seu valor

O valor que você transmite aos clientes em potencial é o que o diferencia da concorrência. Ao comunicar claramente o valor que você está oferecendo como freelancer, terá maiores chances de conquistar mais clientes.

A primeira coisa que você deve perguntar a si mesmo é qual é o seu valor. Para encontrar essa resposta, faça as seguintes perguntas:

  • Qual resultado seus clientes anteriores alcançaram graças ao trabalho que você fez para eles?
  • Qual experiência você tem que é única para você?
  • O que você tem a oferecer que outros designers não têm?

Por exemplo, se você tiver experiência trabalhando em um setor específico (saúde, tecnologia, finanças, estilo de vida etc.), terá mais valor para os clientes desse setor porque entenderá melhor as necessidades deles.

Pense a respeito do seu valor, então encontre a melhor maneira de comunicá-lo claramente. 

Você pode exibir prêmios conquistados em seu portfólio, incluir resultados específicos de projetos anteriores em seu pitch ou destacar alguma experiência específica na proposta que está enviando.

Falando em propostas, é uma boa ideia ter um serviço onde você possa criar e organizar toda a sua papelada, desde ideias, contratos, faturas e até seus impostos. 

Você é um profissional em início de carreira em UX/UI Design? Então, confira esse webinar gratuito com dicas exclusivas sobre a área ministrado pelo Product Designer, Felipe Santana.

Melhor Portfólio = Maior Taxa de Conversão de Clientes

Você já deve ter ouvido falar na expressão “a primeira impressão é a que fica”. Portanto, causar a impressão certa, fará com que você conquiste mais clientes. 

Dessa forma, é essencial você ter um bom portfólio, pois essa é uma das maneiras mais seguras de aumentar a sua taxa de conversão de clientes.

Porém, tenha em mente que o seu portfólio de UX não deve ser apenas algo para exibir seu trabalho. Seu portfólio também é um lugar para converter visitantes em clientes.

Para transformar seu portfólio em uma ferramenta poderosa, use  frases cativantes para chamar a atenção, evite adicionar links para outros sites e garanta que a plataforma em que você apresenta o seu portfólio funcione bem e esteja sempre online. Isso é muito importante. 

Você deve garantir que a página do seu portfólio forneça aos visitantes a experiência que você deseja que eles tenham ao contratar você. Faça a pesquisa, o protótipo, o teste,  o desenvolvimento e o lançamento da sua própria página como se fosse o projeto de um cliente.

Leia também: Portfólio de Designer – dicas para iniciantes

Faça com que clientes em potencial cheguem até você

Uma das melhores maneiras (e frequentemente esquecida) de obter novos clientes é criando conteúdo. Escrever artigos em blogs, criar templates ou outros ativos de interface do usuário ou fornecer conteúdo valioso em redes sociais é uma excelente forma de construir a sua reputação profissional e, ao mesmo tempo, ser encontrado por clientes em potencial.

Escrever artigos que falam sobre UX/UI Design é uma das melhores maneiras de fazer com que novos clientes encontrem você. Além disso, escrever sobre particularidades do design para um nicho ou indústria específica que você atende pode ser especialmente útil.

Faça a seguinte pergunta: quantos clientes eu preciso?

Esta é uma pergunta difícil de responder, pois depende de várias questões: quão ocupado você quer estar? Quer transformar seu negócio em uma agência? Você é bom em gerenciar múltiplas tarefas e em trabalhar com vários clientes ao mesmo tempo? 

Se você está apenas iniciando o seu negócio, o número ideal seria entre 5 a 7 clientes regulares. Estes devem ser os clientes que garantem o seu pão de cada dia contratando você repetidamente. 

Clientes assim permitem que você estabeleça um fluxo de caixa regular. Isso também faz com que você gaste menos tempo em busca de novos clientes e dedique mais tempo em fazer o seu trabalho.

Quando você está começando, nunca recuse um cliente em potencial. Dedique um tempo para conhecer o cliente e avaliar o projeto. Em alguns casos, você pode não querer o trabalho, mas é bom se encontrar com todos os possíveis clientes para começar a construir relacionamentos.

Mantenha atualizadas as suas páginas nas redes sociais

Como já mencionado, é muito importante que o seu portfólio esteja atualizado com seus projetos mais recentes. Isso também vale para seus perfis nas redes sociais.

Se um cliente em potencial visitar seu Instagram ou outro perfil qualquer e  observar que você não postou nada nos últimos meses, poderá presumir que você não está mais trabalhando como designer.

Manter os perfis em redes sociais atualizados é essencial para buscar vagas

 O mesmo vale para seu portfólio ou blog: se não houver atualizações nos últimos meses, um cliente pode acreditar que você não está mais no negócio e passar para o próximo UX/UI designer.

O mesmo se aplica para suas informações de contato. Garanta que seja fácil entrar em contato com você e que todos os formulários de contato estejam funcionando e atualizados. Não faça com que os possíveis clientes se esforcem mais do que o necessário para falar com você.

Como conquistar novos clientes?

Esta é a parte mais difícil de ser um freelancer. Como encontrar trabalho? A chave para encontrar clientes é construir uma rede de contatos e você pode fazer isso de muitas formas.

Rede de contatos sempre

Só de ouvirem a expressão “networking” ou “rede de contatos”, muitos UX/UI designers já ficam apavorados. É por isso que você deve abordar o networking do ponto de vista de construir relacionamentos mutuamente benéficos. Dessa forma, ficará muito menos intimidador.

Conheça pessoas com a intenção de conhecê-las. Não pense imediatamente no que elas podem fazer por você ou no que você pode conseguir delas. Em vez disso, veja como você pode ajudá-las.

Você pode conectar essa pessoa com outro profissional? Existe um ótimo livro ou artigo que você leu recentemente que possa servir para elas? 

Procure maneiras de se conectar em um nível autêntico e, a partir daí, construa seus relacionamentos. Talvez você acabe trabalhando com essas pessoas no futuro, ou talvez elas indiquem outras pessoas para você (e vice-versa).

 Sites para encontrar trabalho

Embora existam muitos sites diferentes para encontrar trabalho como freelancer, existem alguns que são mais adequados aos seus talentos e especialidades. 

Ao encontrar o site para freelancers que melhor funciona para você, conseguir novos clientes será muito mais fácil.

Se você quiser gastar menos tempo em sua busca por trabalho, utilize algum site que faça o trabalho por você e recomende seu perfil aos clientes. O Awesomic.io é uma ótima maneira de ser descoberto pelos clientes. 

O Awesomic é uma startup ucraniana que conecta designers e clientes ao redor do mundo através de uma plataforma muito conveniente.

Com a ajuda de um algoritmo de inteligência artificial, a plataforma determina as tarefas mais adequadas para cada designer com base em suas habilidades e conhecimentos. 

Com a Awesomic, você pode se concentrar totalmente na criação, pois há um fluxo constante de clientes, incluindo até startups YC.

Ao invés de trabalhar das 9h às 17h em um escritório abafado, você tem a possibilidade de trabalhar para seus clientes de qualquer lugar do mundo. Sim, flexibilidade e trabalho garantido podem estar lado a lado. 

Outros sites:
Solicite recomendações

Se você tem clientes satisfeitos, solicite que eles citem você como referências ou façam recomendações. Deixe eles cientes que você está aberto a encontrar novos clientes e que vai apreciar as referências.

Dependendo do serviço que você oferece, é possível até criar um programa de afiliados ou indicações.

Embora você possa achar que um cliente não vai querer indicar você a algum concorrente, lembre-se que a maioria dos negócios possuem parceiros de todo tipo de área.

Portanto, eles podem indicar você ou passar o contato de seus fornecedores ou outros negócios para você oferecer seu trabalho.

Há valor em fornecer boas referências no desenvolvimento de relacionamentos comerciais.

Vá a lugares que possíveis clientes frequentam

Existem clientes para você oferecer serviços de design em qualquer lugar, porém existem lugares onde é possível encontrá-los com maior frequência. É só entender onde eles gostam de passar seu tempo.

Por exemplo, conferências, encontros de comerciantes, seminários e outros eventos que reúnem pessoas que possam estar precisando de um serviço de design.

Também pode ser interessante visitar espaços de coworking, pois eles podem incluir clientes em potencial. 

Passe algum tempo trabalhando no local, conheça pessoas e discuta sobre parcerias tomando um cafezinho – ou algo mais forte. Você não deve ser muito insistente, mas também não precisa esperar que alguém te pergunte do nada: você é UX/UI designer?

Não importa onde você mora, é muito provável que seus possíveis clientes de design UX/UI estejam conversando e debatendo suas necessidades a apenas 50 quilômetros de você. 

Participar de alguns poucos encontros pode ajudar sua empresa a seguir o caminho certo e a obter uma boa reputação (se você oferecer resultados fantásticos, é claro).

Mantenha-se visível nos quadros de emprego

Os quadros de emprego são como restaurantes e bares. Os bons atraem tantos negócios que você acaba querendo procurar um lugar mais tranquilo para passar seu tempo. Algumas das melhores fontes de trabalho no momento são:

Confira a seção anterior sobre a rede de contatos para entender como divulgar seu trabalho nos quadros de empregos online. Muitos freelancers passam boa parte do dia procurando trabalho, mesmo quando as coisas estão boas. 

A fonte pode secar de uma hora para outra, então venda lugares na sua agenda constantemente e garanta trabalho para o futuro o máximo que você puder. Lembre-se de deixar bastante espaço na sua agenda.

Utilize dos princípios do Cold Outreach

Cold Outreach significa contatar alguém de uma forma proativa, basicamente é um contato com alguém que você nunca falou antes. Embora existam pessoas por aí afirmando que o Cold Outreach é irrelevante hoje em dia, dificilmente isso se tornará verdade. 

Você ficaria surpreso com o que pode conseguir simplesmente enviando e-mails. Não é difícil aprender como fazer o envio deste tipo de e-mail sem contato prévio, porém é preciso prática para dominar a arte. Você deve ser conciso e amigável e ao mesmo tempo permanecer profissional. 

A mensagem do seu e-mail não deve ser longa, mas deve ser relevante para as pessoas na qual você a está enviando.

 Pode ser um pouco assustador no começo, especialmente se você nunca fez isso antes – mas qualquer pessoa capaz de fazer frases com palavras aleatórias pode aprender essa habilidade. 

Se você tem a oportunidade de contratar um copywriter, é possível atribuir essa tarefa a ele. Caso contrário, considere buscar e ler alguns tutoriais sobre cold email outreach na Internet.

Encontrar trabalho como UX/UI freelancer pode ser difícil, mas como apontamos há inúmeras técnicas que podem ser aplicadas para conquistar mais clientes e impulsionar sua carreira.  

Que tal colocar essas dicas em prática? 

Quer impactar sua carreira? Entre em contato e descubra como podemos te auxiliar.

Categorias
Design

Melhores plugins para usar no Figma

Plugins para usar no Figma: quais os mais populares e os melhores?

É o que vamos responder neste texto. Afinal, se tem ferramenta ganhando upgrade, tem designer precisando saber sobre. 

Quando o assunto é criatividade e soluções que dão um gás na rotina de criação, os designers de plantão sabem muito bem o quão importante é ter soluções que os ajudam no dia a dia. E o Figma é uma delas, se destacando por várias razões. 

Leia também: Design – dicas para ter criatividade

Figma, o aliado fiel dos designers

O Figma caiu nas graças do Design, justamente por ser uma ferramenta completa, focada em UX e UI, online, colaborativa (estilo Google Docs), ou seja, várias pessoas de uma equipe podem editar um mesmo projeto, além de ser gratuita.  

Por muito tempo, os designers recorriam aos pacotes de programas de edição que acabam sendo mais complexos, principalmente para uso rápido e objetivos específicos.

Ganhando um conjunto de plugins recentemente, o Figma entra em cena para facilitar ainda mais o desenvolvimento de projetos criativos! 

O Figma caiu nas graças do Design justamente por ser uma ferramenta completa

Aprenda mais sobre o Figma: use todas as funcionalidades dessa ferramenta a seu favor! 

E é óbvio que traríamos os 8 melhores plugins para você usar na ferramenta. 

Segue a nossa lista abaixo, dividida em plugins mais populares e os melhores para usar no Figma! 

#SugestãoMentorama: favorite essa página para voltar aqui sempre que precisar de um novo plugin. E continue a leitura para ter acesso a um bônus sobre plugin no Figma 😉 

Os plugins mais populares no Figma

Existem alguns plugins do Figma que provavelmente você já deve conhecer, mas, por via das dúvidas, listamos abaixo para que você não perca nenhum benefício dessa ferramenta. Eles são super  conhecidos pelos usuários de outras ferramentas de design:

  • Content Reel (biblioteca da Microsoft de imagens, avatares, ícones e strings de texto)
  • Unsplash (importa imagens de outros locais)
  • Humaaans (biblioteca de ilustrações combinadas)
  • Stark ou A11y (verificador de contraste de cores)

Esses plugins do Figma são realmente os melhores e, mesmo não precisando deles com tanta frequência, é muito bom saber que eles existem para quando for necessário. Agora, vamos para a lista dos 8 melhores plugins para usar no Figma!

8 melhores plugins para usar no Figma

E para começar, tem ele: o Wireframe. 

  1. Wireframe

Com mais de 300 mil downloads, este é aquele plugin perfeito. Com um conjunto de templates já moldados para Web e Mobile, o grande destaque do Wireframe é que os seus templates são divididos em categorias que podem ser adicionadas diretamente à página do Figma, apenas clicando no frame desejado. 

  1. Iconify

O Iconify já é um dos queridinhos dos designers, justamente por oferecer quase uma infinidade de ícones (mais de 50.000) a serem trabalhados em projetos de UI, por exemplo. Além disso, o Iconify permite importar ícones de outras plataformas, como o FontAwesome e o Twitter Emoji.

  1. Datavizer

Outro plugin indispensável no dia a dia dos designers é o Datavizer. Criando gráficos personalizáveis, o Datavizer tem a sua usabilidade voltada para a simplicidade. Isso porque ele combina dados do Excel, Numbers, Google Sheets ou de um arquivo CSV, com designs impressionantes.

Além disso, o Datavizer é uma ótima alternativa de sincronização com o JSON (JavaScript Object Notation – um formato aberto usado para a transferência de dados). 

  1. Vectary 3D

Este é outro que precisa estar nesta lista.  Se a ideia é impressionar, o Vectary 3D sabe muito bem como fazer. Com ele, você pode adicionar seus projetos à terceira dimensão ou apenas utilizar elementos 3D personalizáveis. Defina a perspectiva que deseja e adicione 3D em seus materiais em poucos cliques. 

  1. Font Preview

Que tal ter mais de mil estilos de tipografia diretamente no Figma?
Esta é a grande sacada do Font Preview! Esse plugin trabalha diferentes tipos de caligrafia para os textos do seu projeto, fazendo isso diretamente dentro do seu design. 

  1. Arrow Auto

O sexto plugin da lista, e o que pode ser o sinônimo de agilidade por aqui, é o Arrow Auto. Extremamente funcional na criação de fluxogramas para Figma, o Arrow Auto também é ótimo para criar mapas e fluxos de demandas totalmente automáticos. Isso sem falar que ele ainda possui outros recursos, como a opções de mover objetos conectados. Vale muito a pena!

  1. Figmotion

Esse plugin também bate recordes de downloads. O motivo é simples: traz vida ao seu projeto, através da animação. Muitos designers desconhecem essa funcionalidade e acabam não utilizando a animação em seus materiais, um recurso extremamente atrativo no mercado.

Com o Figmotion, é possível criar animações de forma simples e fácil de serem transmitidas.

  1. Remove BG

Estamos falando de praticidade, não é mesmo? Portanto, o Remove BG é outro plugin que vai facilitar demais a sua vida como designer.

Por ser uma ferramenta da Web que remove o fundo das imagens de bitmap, transformando-as em PNGs transparentes, a praticidade do Remove BG é justamente fazer isso, só que diretamente dentro do Figma. 

Você conhece outro plugin incrível para usar no Figma e que não está na nossa lista? Conte pra gente nos comentários! 

Bônus

Um outro plugin importante para o trabalho com o Figma é o Todo

Sinônimo de  planejamento, o Todo foi projetado para acompanhar detalhadamente todas as tarefas do seu projeto sem que, para isso, você recorra a um app ou outra plataforma. O Todo  organiza as suas tarefas por prioridade dentro do próprio Figma. 

 E, aí, curtiu o conteúdo?  Compartilhe com aquela pessoa que vai adorar receber essas dicas de plugins para usar no Figma.

Quer impactar sua carreira? Entre em contato e descubra como podemos te auxiliar.

Categorias
Design

Autocad: para que serve esse software?

O Autocad é uma ferramenta utilizada para o desenho de produtos em diferentes áreas como arquitetura, engenharia, design de interiores, indústria automobilística, entre outras. 

Criado pela Autodesk em 1982, o Autocad tornou-se um software bastante popular entre diversos profissionais. Além disso, esse é um dos primeiros programas a rodar em computadores pessoais. 

O Autocad se tornou reconhecido em diversos setores, pois é versátil e adaptável a várias áreas.

Atualmente, há inúmeras ferramentas auxiliares especializadas no software, que auxiliam vários profissionais na hora da criação de designs 2D e modelagem 3D.

Para que serve o Autocad?

Conhecido como o “queridinho” de arquitetos, o Autocad conquistou seu espaço em diferentes mercados.

Em resumo, as ferramentas potentes e versáteis do software garantiram sucesso em diferentes áreas do mercado de trabalho.

O software Autocad ganhou popularidade entre arquitetos
Design 2D

O Autocad permite a criação e desenvolvimento de desenhos técnicos em 2D. Em sua versão mais recente, por exemplo, o software aprimorou as funções de desenho 2D, deixando mais precisas as ferramentas. 

Entre as opções de design 2D é possível criar dimensões automaticamente, desenvolver blocos dinâmicos, armazenar visualizações personalizadas, criar formulários vinculados a aplicativos de planilhas e extrair dados de objetos, atributos e blocos. 

Modelagem 3D

Para quem trabalha com modelagem 3D, uma das principais vantagens do Autocad é o fato dele ser compatível com quase todos os softwares mais populares no mercado.

Dessa forma, a importação e exportação de arquivos no Autocad é bastante simples e fácil. Além disso, a qualidade gráfica do software garante o desenvolvimento de desenhos extremamente realistas.

As principais funções de modelagem 3D permitem desenhar, dimensionar e remodelar desenhos, aplicar iluminação realista em renderizações, criar desenhos de corte transversal e renderizar diretamente na nuvem. 

Onde se utiliza o Autocad?

Em resumo, qualquer profissão ou área que necessita desenvolver, dimensionar e remodelar desenhos pode usar Autocad como ferramenta de trabalho. 

No entanto, esse software é mais popular em algumas áreas específicas, como:

Arquitetura e engenharia

Não é novidade que o Autocad é um dos softwares favoritos de arquitetos e engenheiros.

A principal razão disso são as inúmeras possibilidades oferecidas para projetos de arquitetura e engenharia. 

No Autocad, é possível criar desenhos realistas, aumentar a produtividade de um projeto e reduzir o tempo de detalhamento de uma planta.

Design de interiores

Para designers de interiores o Autocad pode ser bastante útil para a visualização de ambientes de forma realista. Sendo assim, o profissional observa o que funciona ou não no espaço que está planejando. Isso torna o seu trabalho mais rápido e eficiente.

Se você se interessa por design de interiores, não deixe de assistir o Webinar gratuito ministrado pela fundadora do estúdio ATA, Ana Troller:

Indústria automobilística

As ferramentas do Autocad são úteis para profissionais do setor automobilístico, pois permitem a utilização de um conjunto de ferramentas específicas.

Há inúmeros recursos e peças inteligentes. Além disso, a atualização da geometria é mais simples, já que diminui a quantidade de desenhos manuais que precisam ser feitos no dia a dia de trabalho. 

Agora chegou a hora de testar o software Autocad na prática, não é mesmo? Nos conte nos comentários como foi essa experiência.

Você quer aprender Autocad do zero? Então, confira nosso curso online de Autocad, clicando aqui. 

 

Categorias
Design

Como se tornar UI Designer?

UI design, também conhecido como interface do usuário, proporciona uma experiência positiva que faz com que os usuários se mantenham leais a uma marca ou produto. 

A importância desses profissionais é demonstrada pelos números. Apenas em 2021, mais de 1,83 bilhões de sites estavam no ar e mais de 4 milhões de aplicativos disponíveis para download para Android e iOS. 

Nesse contexto de crescimento dos websites e aplicativos, você já parou para pensar em quem é o responsável pela eficiência do design, dos elementos interativos e do sucesso de um app ou site?

Se você respondeu UI designer, você acertou.

Em resumo, o designer de interface do usuário foca sua atenção e trabalho para determinar as principais estratégias para que a interação entre usuário e produto digital seja a melhor possível. 

E essa é uma profissão com perspectivas positivas para o futuro. De acordo com dados do Fórum Econômico Mundial, as habilidades em design estão entre as 15 competências que são consideradas de alta demanda dentro das organizações.

O que faz um UI Designer?

Conforme a Product Designer da FGV,  Débora Vieira, a interface é o meio pelo qual o usuário atinge seu objetivo. Por exemplo: se é necessário realizar uma compra, o meio para fazer isso pode ser um site online, isto é, a interface. 

“Nosso objetivo quando pensamos em interface é simplificar, facilitar e humanizar”, explica Débora.

Uma experiência boa ou ruim ao acessar um site ou aplicativo não acontece por acaso. Um design não planejado é a principal causa disso.

UI designers são responsáveis pela criação de todas as telas e pontos de contato que o usuário encontra ao interagir com um produto digital. Sendo assim, esses profissionais cuidam de tudo que envolve interface, como: botões, imagens, páginas, cores, tipografia e espaçamento.

Na rotina de trabalho, os designers de interface utilizam ferramentas como animações, copywriting e princípios de design visual para criar a melhor experiência de navegação. 

No entanto, o UI designer não é responsável apenas por deixar a interface agradável visualmente e intuitiva.

 Um bom designer de interface do usuário entende como a mente humana funciona na hora de acessar um app ou site e utiliza do design para guiar esse usuário no produto digital.

Um bom designer de interface do usuário entende como a mente humana funciona

Essa carreira também tem um papel importante na acessibilidade e inclusão digital. Design de interface não é escolher qualquer cor e tipografia.  Os profissionais desenvolvem muitas pesquisas até o resultado final. 

Nesse sentido, o profissional analisa diversos aspectos do produto, como por exemplo: de que forma as combinações de cores e contrastes podem melhorar a legibilidade? Quais são as combinações que atendem ao daltonismo? Como pessoas com baixa visão podem acessar esse produto?

Como se tornar UI designer?

Não existe uma fórmula mágica para se tornar um UI designer, mas há alguns passos que podem tornar essa trajetória mais simples e produtiva.

Estude muito

Não é novidade que para investir em uma nova carreira é preciso estudar bastante. Para futuros UI designers é primordial dominar as habilidades necessárias para atuar na profissão. 

Se você deseja aprender do zero investir em um curso para iniciantes é uma ótima opção. Além disso, é possível utilizar materiais gratuitos sobre a profissão que estão disponíveis na internet.

Quer um exemplo? Este webinar gratuito da Mentorama oferece uma introdução ao UI design e é ministrado pela Product Designer da FGV, Débora Vieira, uma especialista no assunto. Confere só:

Aplique o que você está aprendendo 

Enquanto você estuda é muito importante aplicar os conhecimentos e habilidades aprendidas em projetos reais. 

Se você está fazendo um curso com atividades práticas, utilize essa oportunidade para desenvolver o melhor resultado possível. Assim, você poderá anexar esse projeto ao seu portfólio. 

Falando em portfólio…

Construa seu portfólio de UI 

O portfólio é uma das etapas mais importantes para conquistar melhores oportunidades no mercado de trabalho. É ele que vai garantir para as empresas que você sabe o que está fazendo.

Quer saber como desenvolver um portfólio de design forte e competitivo? Então, leia o texto Portfólio de Designer: dicas para iniciantes.

Qual o salário de um UI designer?

Em uma posição júnior, um UI designer pode iniciar ganhando em média R$ 3.521, segundo o Glassdoor. Já que esse profissional está em início de carreira, certificações de cursos e um portfólio garantem melhores oportunidades.

Em um cargo pleno, o profissional pode receber em média R$ 6.280. Para esse nível, é exigida experiência mais significativa, entre dois a cinco anos, pois a complexidade dos projetos é maior.

UI designers seniores ganham em média R$ 8.258, mas o salário pode ultrapassar R$ 10.000 dependendo da experiência, conhecimentos do profissional, empresa e região. 

Sem contar que essa é uma profissão que pode ser executada em modelo freelancer, ou seja, você recebe por projeto. Além disso, também é possível atuar remotamente para empresas estrangeiras e receber em moeda internacional.

Quer se tornar UI Designer? Entre em contato e descubra como podemos te auxiliar.

 

Categorias
Design

Como se tornar designer de interiores?

Você já entrou em um estabelecimento ou em uma residência privada e ficou de boca aberta com o design do local? É bem provável que o responsável por isso foi o designer de interiores.

Se você está se perguntando “o que é um designer de interiores?”, eu vou te explicar. Designer de interiores é o profissional responsável pela criação de espaços que atendam as necessidades do cliente e despertem emoções.

Trabalhar como designer de interiores é muito mais do que apenas decorar um local. Esse profissional mescla uma vasta combinação de habilidades e técnicas para atuar em sua rotina de trabalho. 

Leia também: Como é a rotina de um designer de interiores?

O que faz um designer de interiores?

O designer de interiores precisa ter conhecimento prático de várias técnicas e materiais, como:

  • Cores, texturas, tecidos e acabamentos.
  • Aplicativos de software para design para criar desenhos 2D e 3D e modelagem de informações de construção. 
  • Questões relacionadas à estrutura, segurança, planejamento e construção.

Além disso, é importante que o designer de interiores saiba trabalhar em equipe, pois essa não é uma profissão de uma pessoa só. Mesmo que o profissional trabalhe em um escritório sozinho, em algum momento será necessário entrar em contato com outra área.

Como se tornar designer de interiores?
O designer de interiores trabalha com diferentes técnicas e materiais. Arte: Mentorama

Atualmente, o designer de interiores executa seu trabalho em parceria com diversos profissionais como arquitetos, engenheiros, empreiteiros, artesãos e vendedores de móveis e decorações.

Sendo assim, um designer de interiores de sucesso precisa de uma educação que dê conta de proporcionar as ferramentas necessárias para a atuação em diferentes áreas.

Principais competências

Algumas das competrências mais importantes desse profissional são: organização e atenção aos detalhes. Faz sentido, não é mesmo? Afinal, para entregar o melhor resultado, o designer de interiores precisa estar atento às necessidades do espaço e do cliente.

De acordo com a fundadora do Estúdio ATA e Diretora do RedStudio, Ana Trolller, cada espaço em que o designer de interiores vai trabalhar precisa ser pensado com cuidado e atenção.

“Eu acredito muito que os espaços são feitos para as pessoas. Se eu tenho um projeto privado, que é para uma residência, eu preciso entender quem é esse cliente, de onde ele vem, qual é sua história, quais são os sonhos…”, destaca Troller

Conforme explica Ana Troller, o mesmo se aplica a outros projetos. Se o designer de interiores está trabalhando para uma empresa, ele precisa entender qual é a cultura da companhia.

Caso ele esteja trabalhando para um espaço comercial, entender quem é o público-alvo é essencial para o desenvolvimento do trabalho, por exemplo. Dessa forma, ele conseguirá compreender a arquitetura do espaço e projetar da melhor forma possível.

Quer saber mais sobre essa profissão?

Assista o webinar gratuito Design de Interiores: conheça melhor essa profissão. Nesse webinar ministrado pela arquiteta Clarice Franke, você terá acesso a dicas exclusivas sobre a área, quais são os desafios da profissão e quais as habilidades essenciais para um designer de interiores.

Como começar em design de interiores?

Primeiramente, investir em uma educação qualificada é o primeiro passo. Para trabalhar com design de interiores é necessário diversos conhecimentos e habilidades, como já deu para perceber.

Invista em um bom curso

Se você está iniciando e não sabe por onde começar, foque em um curso que te guie desde o início de maneira simples e intuitiva. 

O curso Profissão Designer de interiores é uma ótima opção para aprender sobre os conceitos de design, assim como desenvolver soluções para problemas, criar visualizações em 2D e 3D e dominar as técnicas da profissão. 

Tenha um bom portfólio

Outro ponto fundamental é demonstrar experiência na área. Estágios são sempre bem-vindos para quem está começando. Contudo, um portfólio forte tem o seu diferencial para os iniciantes. 

Se você já esteja estagiando, pode utilizar os projetos em que trabalhou como exemplo das suas competências.

No entanto, se você não tem um estágio, não se desespere. Você pode se dedicar aos exercícios e praticar muito. Dessa forma, os resultados podem ser utilizados em seu portfólio como demonstração do que você sabe fazer.

Mantenha-se atualizado

As tendências de design de interiores estão em constante atualização e você precisa estar antenado. Portanto, consuma conteúdos relacionados à profissão em diferentes plataformas e converse com outros profissionais. 

Na Mentorama, estamos constantemente realizando webinars gratuitos que podem te ajudar muito. Acesse nosso canal no Youtube.

Qual o salário de um designer de interiores?

Conforme o Glassdor, em uma posição júnior, um designer de interiores pode começar ganhando em média R$ 2.700. Já que está no início da trajetória, espera-se que esse profissional seja recém-formado ou com cursos de especialização na área.

Em um cargo pleno, o profissional pode iniciar recebendo em média R$ 4.500. Nesse nível de atuação, geralmente são exigidos de dois a cinco anos de experiência na área, pois os projetos são mais complexos. 

Designers de interiores seniores ganham em média a partir de R$ 5.000, mas o salário pode passar de R$ 8.000 dependendo da região e empresa. Encontramos vagas de emprego que pagam mais de R$ 10.000, dá para acreditar?

Os valores mencionados são referenciais e podem ser muito maiores. Tudo depende das competências do profissional, da empresa com a qual trabalha, o mercado, a região e diversos outros fatores.

Sem contar que design de interiores é uma profissão que pode ser executada como freelancer, ou seja, o valor recebido é por projeto. Além disso, também é possível atuar remotamente para empresas estrangeiras. Atrativos como esses encantam diversos profissionais.

Quer se tornar designer de interiores? Entre em contato e descubra como podemos te auxiliar. 

Categorias
Design Gamedev

Como se tornar um Designer de Games?

 

Você quer trabalhar como designer de games, mas não sabe por onde começar? Muita calma, porque nós podemos te ajudar!

Se você gosta de games, tem criatividade, fica fascinado pelas dinâmicas dos jogos e adoraria estar envolvido na criação de um: você já está no caminho certo. 

A indústria de games é uma das mais promissoras do mundo. Os valores movimentados por esse mercado são gigantescos e as oportunidades de trabalho também. 

No Brasil, não é diferente. Estudo da Comscore constatou que 70% da população digital brasileira – cerca de 84 milhões de usuários – joga algum tipo de jogo.

Além disso, o Brasil é o único país da América Latina que está no top 5 mundial entre os países com maior número de usuários na categoria de jogos online. 

Por se tratar de um mercado em constante expansão, a procura por profissionais capacitados para desenvolver novos jogos é uma realidade no mundo todo. 

O que é Design de Games?

O design de games é uma área que está incluída no desenvolvimento de jogos. O designer de game utiliza os recursos do design e sua criatividade para desenvolver um jogo interativo e atraente.

Para simplificar, nós podemos dizer que o game design é uma peça fundamental no planejamento de todo o processo de criação de um jogo. 

Em resumo, isso significa que nenhum game é elaborado sem um plano e o responsável por traçar esse plano é o designer de games.

Desse modo, o designer de games atua na criação de histórias, personagens, desafios, regras e objetivos, sempre visando a interatividade para o usuário. 

O que faz um designer de games?

O designer de games é o profissional criativo que dá vida a um jogo. Sendo assim, essa é uma profissão que mistura várias habilidades como escrita, arte e programação.

O Game Designer, Gilliard Lopes, explica que o designer de games precisa ser especialista em três coisas muito importantes: interação, indução e competição. Além disso, esse profissional precisa dominar produção de conteúdo e features que capturem a atenção e divirtam os usuários. 

O designer de games é o profissional criativo que dá vida a um jogo. Imagem: Mentorama
O designer de games dá vida a um jogo. Imagem: Mentorama

“O Game Designer precisa montar um experiência de jogo ‘engajante’ e estar sempre lembrando ao jogador de que aquele jogo é o melhor que ele vai jogar essa semana”, destaca Lopes. 

O designer de games é um profissional multidisciplinar

Isso significa que em sua atuação ele lida com várias áreas como design, programação, animação, marketing, roteirização, entre outras. 

Durante o design de um game, o profissional precisa estar atento a algumas questões na execução do trabalho, como:

Interatividade: o jogo precisa ser divertido para que os usuários não fiquem entediados e desistam de jogar. Sendo assim, o designer de games tem que conhecer o mercado e estar antenado nas tendências que agradam os jogadores.

Equilíbrio: o jogo precisa ser justo. Isso significa que é necessário que exista equilíbrio no sistema de desafios e recompensas da narrativa. 

Protótipo: ter conhecimento básico sobre como testar o jogo e formular hipóteses é importante para aprimorar os mecanismos do game que está sendo desenvolvido. 

Motor de jogos: o designer de games não consegue fugir dos motores gráficos, pois eles são a base do desenvolvimento de um jogo. Atualmente, os mais conhecidos são o Unreal Engine e Unity

Trabalho em equipe: o designer de games não trabalha sozinho. Em um estúdio de criação, por exemplo, há funções determinadas para cada profissional que está executando um projeto. É essencial que todos falem a mesma língua para estabelecerem as decisões claramente.

Quer saber mais sobre o que o mercado de trabalho espera de um designer de games? Então, não deixe de conferir os depoimentos de nossos ex-alunos do curso de Game design, clique aqui

Motores de jogos: qual escolher?

Se você está se perguntando: “qual o melhor motor de jogos?”, a resposta mais sincera é: depende. Há vários fatores que determinam qual o melhor motor de jogo para você.

Os motores de jogos mais conhecidos no mercado, atualmente, são o Unreal Engine 4 e Unity. Ambos possuem inúmeros recursos para desenvolvimento dos projetos. 

Contudo, algumas questões podem te ajudar a identificar qual é o mais indicado para o trabalho que você pretende desenvolver. 

Se o projeto exige uma qualidade alta, o Unreal Engine é a melhor escolha, pois possui elementos visuais de alta fidelidade. O Unity também oferece uma qualidade alta, porém para criar gráficos realistas como no Unreal é mais difícil.

A plataforma de destino do jogo também precisa ser analisada. Para games multiplataforma, o Unity é mais indicado, pois possibilita a criação de projetos mais complexos com capacidade de processamento reduzida. 

Antes de decidir qual motor de jogos você vai trabalhar, uma boa opção é pesquisar as possibilidades e o que te agrada mais.

Em nosso webinar gratuito, Para ser um ótimo Game Designer: aperte o start!, você pode encontrar as respostas para algumas perguntas que está se fazendo. 

Qual o salário de um Designer de Games?

Como já mencionado, a indústria de jogos é um mercado em constante desenvolvimento e expansão. Por essa razão, as possibilidades para quem quer trabalhar com games são atrativas, assim como os salários. 

Conforme dados do Glassdoor, em uma posição júnior, um designer de games pode iniciar recebendo em média R$ 3.335. No nível júnior, o profissional está em início de carreira. Nesse caso, já que ele possui pouca experiência, as certificações de cursos podem garantir melhores oportunidades. 

Em um cargo pleno, o profissional pode iniciar recebendo em média R$ 5.000. A experiência exigida para esse nível é de dois a cinco anos, pois a complexidade dos projetos é maior em relação a um cargo junior. 

Designers de game seniores podem ganhar em média R$ 10.000, mas o salário pode ultrapassar R$12.000 dependendo da região, empresa, portfólio e habilidades do profissional. 

Quer se tornar Designer de Games? Entre em contato e descubra como podemos te auxiliar. 

 

Categorias
Design

Como é o mercado de Web Design no Brasil?

Você já parou para pensar o quanto é importante acessar um site e ele ser acessível, fácil de navegar e esteticamente atraente?

Na rotina diária, é comum que os usuários naveguem entre inúmeros websites ao mesmo tempo, indo de um para outro. No entanto, eles permanecem mais tempo apenas em alguns websites específicos.

E, por que isso? O que faz com que um website tenha mais acessos e permanência, além de seu conteúdo, são questões que estão relacionadas ao design, ou seja, uma página organizada, um layout agradável e fontes e imagens que combinem. Tudo isso faz muita diferença para o visitante.

A experiência do usuário é o que define se ele permanece ou não em um site. E um dos principais profissionais responsáveis pela criação de um site eficiente é o web designer.

O que é Web Design?

 Web Design é o trabalho que envolve o layout e design de sites para web. O profissional dessa área – o Web Designer – precisa estar sempre atento aos aspectos de experiência do usuário e desenvolvimento do site.

É o web designer que elabora as páginas que são acessadas nos sites. Para isso, os profissionais utilizam linguagens de marcação, como o HTML.

Com o avanço dos dispositivos tecnológicos, o web design também foi ampliado. Atualmente, o foco não é apenas em design de sites para navegadores de desktop, mas também para navegadores de celulares e tablets.

Já deu para perceber que acessibilidade e aparência são muito importantes para um site ou aplicativo móvel, não é mesmo?  

Além disso, no processo de criação de um web design há componentes padrões que precisam ser considerados pelo web designer, como:

  • Layout das páginas
  • Imagens
  • Paleta de cores
  • Hierarquia visual e de textos
  • Tipografia
  • Navegação acessível
  • Legibilidade

Quando esses componentes são bem desenvolvidos e aplicados, a probabilidade do site ter um bom desempenho é enorme. Inclusive, o design de um site impacta nos mecanismos de pesquisa, como o Google, sabia?

O que um Web Designer faz?

O web designer trabalha com aparência, layout e, em alguns casos, com o conteúdo do site. Em resumo, um dia de trabalho envolve execução de tarefas relacionadas à criação das páginas. Nesse sentido, ele tem sempre em foco a acessibilidade e estética.

O trabalho do web designer não se afasta da pesquisa em nenhum momento, já que é preciso reconhecer quais são os objetivos do cliente com o site, quem são os usuários que acessam e como é possível melhorar a experiência dos mesmos.

Como funciona o trabalho do web designer?

Primeiramente, um web designer precisa ser criativo e observador, porque cada etapa de seu trabalho necessita dessas soft skills.

Além disso, a seleção de fontes mais acessíveis para leitura, determinação das cores da página e implementação da identidade da marca envolvem um tempo considerável de busca por referências e planejamento.

O web designer também estrutura a navegação do website para que seja mais intuitiva para o usuário, assim como necessita estabelecer como será a distribuição dos textos, imagens, vídeos e outros elementos no website.

Como é o mercado de Web Design no Brasil?
O web designer planeja e cria o layout de páginas em websites. Arte: Mentorama

Também é necessário utilizar linguagens de codificação, como HTML e CSS, para garantir que a criação do layout e a estilização da página tenham um bom resultado.

Por fim, é preciso pensar nos outros dispositivos em que a página pode ser acessada. Afinal, o acesso a sites através do smartphone é muito comum e a visualização precisa estar otimizada para outros dispositivos.

Quer saber mais sobre o dia a dia da profissão?

Clique aqui e leia sobre a jornada de formandos do curso de web design da Mentorama.   

Qual o salário de um Web Designer?

Segundo a Glassdor, um web designer pode iniciar recebendo em média R$ 2.600 em uma posição júnior. Frequentemente, esses profissionais são recém-formados ou possuem certificações de cursos na área.

Em um cargo pleno, o profissional pode iniciar ganhando em média R$ 4.000. Nesse nível, o web designer tem entre dois a quatro anos de experiência, bem como um conhecimento mais aprofundado na área.

Web designers seniores ganham em média R$ 6.000, mas dependendo da região, empresa e habilidades do profissional o salário pode ultrapassar R$ 8.000.

Além disso, também é possível trabalhar como freelancer e receber por projeto. Dessa forma, a remuneração pode variar bastante.  Você pode atingir valores superiores aos mencionados dependendo da experiência, clientela e capacidade de entregas. 

Como é o mercado de web design no Brasil?

A necessidade de contratar web designer é uma realidade para empresas em todo o mundo, inclusive no Brasil. A expansão da internet e a imensidão de aplicativos existentes são as principais razões.

Segundo a Forbes há sete razões para as empresas investirem na criação de um website eficiente, são elas:

  • Credibilidade para a marca
  • Divulgação do negócio
  • Geração de leads
  • Tráfego orgânico
  • Atendimento ao cliente mais ágil
  • Disponibilização de anúncios e atualizações
  • Marketing digital

A contratação de profissionais qualificados é extremamente necessária para a construção de um web site, justamente por essas razões.

As empresas e organizações estão cada vez mais antenadas sobre isso. Como resultado, a busca por web designers se intensifica nesse contexto.

Futuro da profissão

O futuro também promete ser promissor para essa área. Segundo dados do Fórum Econômico Mundial, habilidades em design estão entre as 15 competências que são consideradas de alta demanda dentro das organizações.

O Censo Agência 2020, maior estudo brasileiro sobre agências de publicidade e marketing, apontou que os serviços que envolvem web como sites, apps e landing pages tiveram uma rentabilidade financeira muito boa, ocupando o terceiro lugar no ranking, com 31,8%.

De acordo com a pesquisa o serviços de produção e desenvolvimento digital de sites foi o terceiro que mais foi terceirizado pelas agências de publicidade e marketing, com 45,3%.

Dessa forma, os dados demonstram que a profissão de web design não requer, necessariamente, que você trabalhe em um local físico. Sendo assim, trabalhar como freelancer pode ser uma opção. Principalmente, se você prefere atuar por projetos específicos e ter mais liberdade.

Depois de toda essa conversa sobre web design, ficou com vontade de começar uma carreira nessa área?

Nós temos o conteúdo perfeito para te ajudar. No webinar Como começar uma carreira em web design em 2021 você vai descobrir os principais desafios para iniciar nesse campo. Além disso, você terá acesso a dicas exclusivas de profissionais que trabalham com isso.

Comece uma carreira como web designer

Se você pensa em impulsionar sua carreira em uma profissão em alta, web design é uma ótima escolha, como já deu para perceber.

Começar uma carreira pode ser difícil e confuso no início, mas nós podemos te ajudar.

No nosso curso Profissão Web Design, você terá acesso às ferramentas necessárias para desenvolver interfaces e aplicações na web do zero.

Você será capaz de construir websites com navegações acessíveis, intuitivas e com um layout claro e bonito. Já imaginou?

Ficou curioso? Entre em contato e descubra como podemos te auxiliar. 

Categorias
Design

Como se tornar UX Designer?

O UX Designer é o profissional responsável por garantir que o design atenda as necessidades dos usuários, garantindo a sua satisfação com um determinado produto ou serviço. Se você quer se tornar um UX Designer, continue a leitura!

O que é UX Design?

UX é a abreviação para User Experience. Portanto, UX Design, em tradução literal, significa Design de Experiência do Usuário. O UX Design é uma área que tem como objetivo garantir que o usuário tenha a melhor experiência de uso com relação a um determinado produto ou serviço, seja no ambiente digital, seja no físico.

Entretanto, UX vai muito além da maneira como as pessoas utilizam um produto ou serviço, ele também visa outros pontos importantes, como por exemplo, a navegação de um site, a facilidade do processo de compra, o desenvolvimento de um produto ou serviço, entre outros critérios.

Ou seja, pode-se dizer que todos os aspectos que envolvem a jornada do usuário, envolvem o UX Design. Além disso, é importante ressaltar que todas as empresas já oferecem o UX aos seus clientes, a diferença é se ela é eficiente ou não. 

Por exemplo, se um usuário entra no site de uma loja de celulares que começa a apresentar lentidão para carregar as informações e até mesmo começa a travar, ele está experienciando uma falha que, muito provavelmente, fará ele desistir da compra. 

Como funciona o UX Design na prática?

Se você quer descobrir como funciona e quais são os mitos e verdades do UX Design, clique no vídeo abaixo e confira um webinar gratuito em que Karina Tronkos explica um pouco sobre a sua bagagem de conhecimentos na área e dá dicas exclusivas para iniciantes.

Além disso, também sugerimos que você clique no vídeo abaixo e confira, como um complemento ao seu conhecimento, um webinar em que Flavio Lamenza dá um guia completo do que você precisa estudar para se tornar um UX Designer!

O que faz um UX Designer?

O UX Designer tem como objetivo garantir que o usuário tenha a melhor experiência de uso com relação a um determinado produto ou serviço, seja no ambiente digital, seja no físico.

Nesse contexto, o UX Designer é o profissional responsável por pensar, planejar e desenvolver a identidade visual, a organização de informações, o fluxo de navegação, entre outros elementos que devem ser pensados para contribuir no desenvolvimento de um produto ou serviço, visando uma experiência única e de alto nível para os usuários. 

Para fazer isso, um UX Designer deve passar por um processo de trabalho que envolve as seguintes etapas:

  • Definição de estratégias;
  • Geração de ideias;
  • Planejamento;
  • Desenho;
  • Validação e Pesquisa;
  • Métricas;
  • Lançamento de MVP;
  • Testes de usabilidade.

Quanto ganha um UX Designer?

Segundo os dados divulgados pelo trampos.co, a faixa salarial de um Designer UX varia entre R$ 2.000 e R$ 4.000 por mês. Além disso, um profissional Sênior que trabalha em grandes empresas nacionais ou internacionais pode receber até R$ 8.000 por mês. Além disso, atualmente existem 2500 vagas abertas para UX Designer apenas no LinkedIn! 

Introdução e boas práticas em UX Design

Agora que você conheceu um pouco mais sobre o que é e como funciona o UX Design, aproveite a oportunidade para expandir suas possibilidades e, quem sabe, se tornar o próximo UX Designer de sucesso!

Com o curso “UX Design”, você terá acesso a 19 módulos de material exclusivo, um mentor para lhe orientar e 5 meses de aprendizagem na prática! Após a conclusão do curso, você estará apto para:

  • Criar gráficos de front-end em um período de tempo curto;
  • Entender como conduzir pesquisas de público-alvo e de mercado, além de fazer testes de usabilidade;
  • Compreender a diferença entre usuários e partes interessadas e demais conceitos;
  • Otimizar a sua criatividade e criar soluções visuais e de interface únicas;
  • Aprender o que afeta a usabilidade da interface, e projetar a diferentes níveis de protótipos;
  • Dominar a tecnologia e entender as particularidades no trabalho de design de produto;
  • Aprender a dimensionar os processos de design em uma equipe para manter o equilíbrio do trabalho;
  • E muito mais!

Nosso objetivo é transformar o seu desafio em solução! Entre em contato conosco e saiba como podemos te ajudar.

Categorias
Design

Como dominar as ferramentas do Design Gráfico?

O Design Gráfico é uma área que cuida dos desenhos, imagens, identidade visual, animações, diagramações e outros projetos de comunicação visual. Se você quer aprender como dominar as ferramentas do Design Gráfico e como funciona essa área na prática, continue a leitura!

O que é Design Gráfico?

O Design Gráfico é uma área que pode ser compreendida como uma forma de se comunicar por meio de peças visuais. Ao contrário do que muitos pensam, ela não se limita a fotos ou ilustrações, podendo ser feita de diversas formas, como:

  • Textos;
  • Diagramações;
  • Imagens;
  • Animações;
  • Códigos;
  • Desenhos;
  • Entre outros.

Como podemos ver, as possibilidades em Design Gráfico são infinitas! Uma prova disso é aquela embalagem bonita dos produtos que você utiliza no seu dia a dia, ou então, aquele cartão de visita sofisticado e minimalista que você recebe ao fazer uma compra. Esses e outras centenas de recursos são feitos por meio do Design Gráfico!

O que faz um Designer Gráfico?

O que faz um Designer Gráfico?

O Designer Gráfico é responsável por desenvolver a comunicação visual de embalagens de produtos, outdoors, catálogos, revistas, websites, criação de logotipos e toda a identidade visual de uma marca para redes sociais, por exemplo.

Inclusive, esse profissional desempenha um importante papel ao transformar a imagem e comunicação de uma marca, e é justamente sobre isso que o Gustavo Camarano, mentor do nosso curso “Profissão Designer Gráfico”, falou em um webinar 100% gratuito e recheado de dicas exclusivas! Para conferir, basta dar play no vídeo abaixo:

Além disso, o Designer Gráfico também pode atuar na área de Design de Produtos, desenhando novos produtos e levando em conta os aspectos funcionais, estéticos e utilitários do objeto. Ele pode ainda desenhar móveis, joias, vestuário, equipamentos médicos e odontológicos, peças para maquinário industrial, eletrodomésticos, etc.

Quanto ganha um Designer Gráfico?

Segundo dados do Glassdoor e do LinkedIn, atualmente existem 2363 vagas abertas para Designer Gráfico e o salário médio desse profissional está definida da seguinte forma:

Designer Gráfico Júnior: R$ 3.100,00

Designer Gráfico Pleno: R$ 6.000,00

Designer Gráfico Sênior: R$ 9.104,00 

Qual o perfil de um Designer Gráfico?

Embora o designer gráfico tenha vivência com arte em seu dia a dia, é importante lembrar que ele não pode se limitar em ser um artista, mesmo que tenha competência para isso. 

Falando em perfil, o profissional dessa área deve ser criativo, inovador, ter bom senso estético, ter afinidade com artes e, se possível, ter facilidade com softwares e plataformas digitais. Além disso, organização, disciplina e comprometimento com resultados são fundamentais para que um bom designer gráfico consiga gerenciar seus projetos e entregá-los no prazo.

Como virar Designer Gráfico?

Com o “Design Gráfico do zero ao PRO”, você terá um panorama completo dessa área, do zero ao avançado, com todas as informações necessárias para você aprender a utilizar as principais ferramentas de Design Gráfico.

E para turbinar ainda mais o seu conhecimento, com o “Profissão Designer Gráfico” você poderá mergulhar de cabeça no universo dessa carreira tão requisitada pelo mercado! Ao longo de 12 meses, intensivão com +50 módulos e 4 cursos em um só programa, você se tornará um profissional completo e competirá para conquistar a vaga dos sonhos.

Após a conclusão dos cursos, você estará apto para:

  • Criar logos únicos e com identidade própria;
  • Compreender marcas, seus objetivos e lugar no mercado;
  • Portfólio com primeiros projetos profissionais;
  • Dominar ferramentas básicas de Design Gráfico;
  • Desenvolver uma identidade corporativa;
  • Entender as necessidades do cliente para traduzi-las nos projetos;
  • Determinar as áreas de responsabilidade do gerente de produto no projeto;
  • Realizar um mapa de competências;
  • Entender a diferença entre gerente de produto, proprietário do produto e gerente de projeto.

Você sabia que aqui na Mentorama nós temos vários webinars gratuitos sobre tecnologia todos os meses? Isso, mesmo. São gratuitos e abordam diferentes temas das áreas mais promissoras da tecnologia, como UX/UI Design, Programação, Marketing e Games. Para ficar por dentro do nosso cronograma, clique aqui e já se inscreva para o próximo webinar!

Nosso objetivo é transformar o seu desafio em solução! Entre em contato conosco e saiba como podemos te ajudar.