Categorias
Programação

Onde linguagens de programação são utilizadas?

 

Você tem interesse em investir em uma carreira em programação, mas está se perguntando quais são as possibilidades de trabalho nessa área? Então, esse texto é para você. 

A programação é uma das profissões mais versáteis da atualidade. Por essa razão, os programadores são profissionais bastante demandados em diferentes setores.

Para te mostrar as potencialidades de trabalhar nessa área, nós separamos quatro linguagens de programação e onde elas são mais utilizadas. 

Leia também: Linguagens de programação desenvolvidas por brasileiros

Python

Uma das linguagens de programação mais populares é a Python. Criada em 1991, a linguagem se popularizou entre programadores por ter uma sintaxe simples e por sua versatilidade.

Uma das áreas que mais utiliza a linguagem Python é a ciência de dados, pois ela possibilita a visualização e análise de dados de forma mais simplificada.

Além disso, com Python é possível acessar grandes bibliotecas de ciência de dados, facilitando o trabalho dos cientistas de dados.

Python também é muito útil para Machine Learning – aprendizado de máquina. Por se tratar de uma linguagem simples e fácil de aprender, Python acaba sendo muito prática para Machine Learning.

Quer aprender Python, mas não tem conhecimento prévio? Então, assista ao webinar gratuito “Introdução ao Python – Iniciando a jornada como programador”, ministrado pelo expert Felipe Assunção:

JavaScript

A linguagem de programação JavaScript, também conhecida como JS,  é utilizada no desenvolvimento de aplicações, sistemas e serviços de alta complexidade. 

JavaScript é aplicada principalmente em desenvolvimento web e desenvolvimento de software. Em resumo, essa linguagem atua na programação Front-End, ou seja, na parte mais visual de uma aplicação. Sendo assim, Javascript é utilizado com outras duas linguagens: HTML e CSS.

A programação é uma das profissões mais versáteis da atualidade

E para quem trabalha com desenvolvimento de jogos, aprender Javascript é um grande facilitador, pois essa linguagem possibilita a criação de funcionalidades interativas que podem ser aplicadas em todo tipo de documento HTML.

Java

Java é uma linguagem de programação orientada a objetos e é muito utilizada no desenvolvimento de sites e aplicativos.

Uma das grandes vantagens desta linguagem é a possibilidade de desenvolver softwares que são executáveis em diferentes plataformas como Windows, Linus e MAC. 

Dessa forma, o programador não precisa modificar sua aplicação para se adaptar às plataformas. Por essa razão, os sites ou aplicativos desenvolvidos em Java se adaptam bem a diferentes dispositivos como smartphones, notebooks, computadores e tablets.

Está pensando em aprender Java? Para te auxiliar nessa jornada, assista ao webinar gratuito “Java: como começar? Life hacks para iniciantes”, ministrado pelo desenvolvedor Sérgio Lopes:

C/C++

As linguagens de programação C e C++ são da mesma família, porém possuem suas diferenças. Enquanto C é orientada a procedimentos, C++ é orientada a objetos. 

Resumidamente, a linguagem C++ por ser mais atualizada possui mais recursos e possibilidade para desenvolvedores. 

C é utilizada principalmente na criação de sistemas operacionais como Windows e Linux. Já a linguagem C++ é muito usada no desenvolvimento de jogos que precisam de um alto rendimento. 

Após descobrir as possibilidades dessas quatro linguagens de programação, qual você escolherá para aprender mais sobre? Nos conte nos comentários.

Quer impactar sua carreira? Entre em contato e descubra como podemos te auxiliar.

 

Categorias
Programação

Lighthouse: vantagens para desenvolvedores web

Lighthouse é uma ferramenta gratuita e automatizada de código aberto focada em aprimorar a qualidade de apps na web.

Ela foi desenvolvida pelo Google e pode ser utilizada como extensão do Chrome ou em linha de comando. 

Em resumo, o Lighthouse simula situações que podem afetar a experiência do usuário na aplicação, ou seja, ele executa diversos testes na página e, ao final, gera um relatório que informa o desempenho. 

Dessa forma, os testes realizados auxiliam no entendimento do que funciona ou não no website e o que pode ser melhorado.  Portanto, o Lighthouse é extremamente útil para desenvolvedores web. 

Leia também: Como se tornar um desenvolvedor web?

Como funciona o Lighthouse?

Primeiramente, o Lighthouse testa os fatores de web design que o Google considera importantes para um website a partir de alguns fatores específicos e as notas variam de 0 à 100. Confira as categorias analisadas:

  • Desempenho: confere a velocidade em que o site carrega e se as páginas são ágeis;
  • Acessibilidade: investiga se o site é simples e acessível para o usuário;
  • Boas práticas: verifica se o site se enquadra nas recomendações do Google;
  • SEO: confere a otimização do conteúdo do site para buscas na rede de pesquisa do Google. 
O Lighthouse analisa quatro fatores principais

O desempenho geral do website é analisado a partir desses quatro fatores. Sendo assim, no relatório final a pontuação que é indicada aponta o que precisa ser melhorado para uma melhor experiência do usuário. 

Por que Lighthouse é importante?

Atualmente, os websites são essenciais para promover e dar visibilidade para um produto ou serviço, além de trazer credibilidade para uma marca. 

Sendo assim, possuir um website acessível tanto no desktop quanto na navegação em smartphones é imprescindível. Nesse sentido, aplicar acessibilidade, SEO e focar no desempenho é fundamental para um bom site.

O Lighthouse é uma ferramenta útil para auxiliar na identificação de problemas que podem estar afetando um website. Além disso, ele fornece as informações necessárias para otimizar e melhorar o website. 

Como utilizar o Lighthouse?

Essa ferramenta pode ser utilizada como extensão do Google Chrome ou como ferramenta de linha de comando. 

A opção de extensão traz uma interface mais simples para leitura dos relatórios com resultados. Já a ferramenta de linha de comando possibilita a inserção do Lighthouse a sistemas de integração contínua. 

Ao colocar o seu website no Lighthouse para ser analisado, a primeira coisa a ser solicitada é a análise que você gostaria de fazer.

O Google dá prioridade para análise Mobile, pois valoriza a qualidade da navegação feita em smartphones. 

Contudo, a pontuação disponibilizada para Desktop também é muito importante.

E se você está se perguntando se essa ferramenta é difícil de usar, saiba que essa ferramenta é bastante simples, fácil e autoexplicativa. Além disso, possui uma excelente interface do usuário (UI)

E aí, que tal aproveitar os benefícios do Lighthouse? Nos conte nos comentários sobre sua experiência!

Quer impactar sua carreira? Entre em contato e descubra como podemos te auxiliar.

 

Categorias
Programação

Como é o mercado para desenvolvedores Android?

Os aplicativos para smartphones dominam o mercado de tecnologia e movimentam milhões de dólares por ano. Nesse cenário, os desenvolvedores Android vem ganhando cada vez mais espaço no setor de TI. 

De acordo com uma pesquisa realizada pela App Annie em 2021, o Brasil é o país em que a população passa mais tempo utilizando aplicativos no mundo. 

Essa é uma realidade que demonstra as potencialidades de trabalhar com desenvolvimento de aplicativos. Se você é um entusiasta de aplicativos, investir em desenvolvimento Android é uma ótima opção no mercado atual.

O que é Android?

 Android é um sistema operacional que funciona em smartphones não iOS. Ele foi comprado pelo Google em 2005 e lançado em 2007. 

Desenvolvedores Android vem ganhando cada vez mais espaço no setor de TI

Segundo dados de janeiro de 2022 da Statisa, o Android é o principal sistema operacional móvel em todo o mundo e controla o mercado de sistemas operacionais móveis, com uma participação de quase 70%. 

O que faz um desenvolvedor Android?

Desenvolvedores Android são profissionais que desenvolvem aplicativos móveis e tem experiência no desenvolvimento com Android Studio e ferramentas SDK.

Sendo assim, são desenvolvedores que possuem um amplo conhecimento das bibliotecas, estruturas e frameworks disponíveis, assim como habilidades em Java e/ou Kotlin.

Quer saber mais sobre como é a experiência de desenvolver aplicativos móveis? Então, assista o webinar gratuito ministrado pelo líder de tribos na ioasys, Lucas Goés:

O desenvolvedor Android atua em todas as etapas do processo de desenvolvimento de um aplicativo, desde a concepção até o lançamento na Google Play Store. 

Leia mais: Como criar um aplicativo Android do zero

Onde desenvolvedores Android trabalham?

Em geral, desenvolvedores Android trabalham em diferentes setores e há oportunidade de trabalho em todos os tipos de organizações. 

Em resumo, qualquer companhia que deseja desenvolver seu próprio aplicativo investe na contratação de desenvolvedores Android. 

Alguns exemplos são as grandes companhias de tecnologia como Twitter, Instagram, Facebook, Amazon, Youtube, Pinterest e Spotify. 

Quanto ganha um desenvolvedor Android?

De acordo com dados do Glassdoor, em uma posição júnior, um analista de testes pode começar ganhando em média R$ 4.060. Por se tratar de um cargo inicial, as exigências são mínimas. Contudo, certificações de cursos na área representam um diferencial. 

Em um cargo pleno, o profissional pode iniciar recebendo em média R$ 7.170. A experiência exigida é de pelo menos três anos, pois a complexidade dos projetos é maior. 

Por fim, desenvolvedores Android seniores ganham em média R$ 10.371. No entanto, tudo depende da experiência, conhecimentos, região e empresa.

Além disso, essa é uma profissão que permite trabalhar remotamente e em regime freelancer para empresas do exterior.

Sendo assim, é possível receber em moeda estrangeira, o que pode aumentar os valores estipulados. 

Quer impactar sua carreira? Entre em contato e descubra como podemos te auxiliar.

Categorias
Programação

Linguagens de programação desenvolvidas por brasileiros

Quando você pensa em linguagens de programação, alguma delas é brasileira? Se a sua resposta for não, saiba que não é por falta de opção.

O Brasil tem um grande potencial em tecnologia e há diversas linguagens de programação desenvolvidas no país. 

As linguagens de programação Elixir, Egua e Lua estão impactando o mercado

Nós separamos três linguagens de programação brasileiras que você precisa conhecer. Confere abaixo.

Leia também: Programação para iniciantes – dicas de carreira

Elixir

Elixir é uma linguagem de programação funcional criada em 2014, ela possui código aberto que é executado na Máquina Virtual Erlang – Erlang VM. 

A ideia de uma programação funcional é baseada em três pontos principais: funções, imutabilidade e código declarativo. 

Mas, o que isso significa? Em resumo, na programação funcional os valores são imutáveis, isso significa que cada função tem um valor que é estável e os mecanismos de bloqueio não são necessários. 

Já as funções dizem respeito às ferramentas utilizadas na construção de programas, enquanto o código declarativo é focado no que é preciso para resolver um problema, em vez de como resolver o problema. 

A Elixir é uma linguagem de programação que vem sendo bastante reconhecida. Por exemplo, ela é a linguagem utilizada no Discord, Pepsico e Hubs.

Uma das vantagens da Elixir é a comunidade ativa de desenvolvedores que realizam eventos, workshops e conferências pelo mundo para troca de ideias e experiências. 

O Elixir Fórum, por exemplo, é um espaço que incentiva essa troca entre programadores e é um ótimo lugar para iniciantes na linguagem de programação tirarem suas dúvidas.  

E por falar em iniciantes em programação… Se você está começando nesse mundo, você precisa assistir ao webinar gratuito Manual de sobrevivência que todo iniciante em programação deve ter” ministrado pelo engenheiro de software, Bruno Germano. Confere abaixo:

Lua

A linguagem de programação Lua foi projetada, implementada e desenvolvida por uma equipe na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro – PUC- Rio. 

Ela foi desenvolvida em 1993 e, desde então, foram lançadas diferentes aplicações, que vão desde aplicações industriais como Adobe Photoshop e Lightroom até jogos como World of Warcraft e Angry Birds. 

É uma linguagem que permite programação procedural, programação orientada a objetos, programação funcional, programação orientada a dados e descrição de dados. 

De acordo com o site oficial da Lua, a linguagem é rápida, simples, pequena, portátil e embutível. Além disso, ela é livre, ou seja, possui código aberto e tem importância global.

Lua é a única linguagem de programação de impacto desenvolvida fora do primeiro mundo”, aponta o site.

Egua

Egua é uma linguagem de programação baseada em JavaScript que foi desenvolvida por um grupo de estudantes de Engenharia da Computação de Belém do Pará.

A linguagem é totalmente em língua portuguesa e surgiu com objetivos educacionais. Por ser interpretada e escrita em JavaScript, a linguagem tem uma execução bastante rápida e funciona inteiramente online. 

Além disso, é totalmente gratuita, isto é, não há planos, limitações e propagandas. 

Uma outra vantagem que pode ser muito benéfica para iniciantes em programação é que essa linguagem pode ser utilizada por pessoas sem experiência programando, já que é simples e totalmente em português. 

Independente de você ser iniciante em programação ou não, vale muito a pena testar alguma linguagem de programação brasileira.

Além de você ganhar mais experiência, também valoriza o mercado de tecnologia do seu próprio país. 

Quer impactar sua carreira? Entre em contato e descubra como podemos te auxiliar.

 

 

 

Categorias
Programação

O que são wireframes e por que são importantes?

Wireframe pode ser definido como um esqueleto, protótipo ou uma versão inicial do visual de um projeto. Wireframes são bastante úteis para profissionais do design, programação e games.

Quem já desenvolveu um projeto do zero, sabe o quão importante é o planejamento e a organização que antecede a execução da ideia. 

Por exemplo, ao desenvolver um aplicativo, é preciso criar um wireframe para visualizar o resultado do produto final, pois se algo der errado basta ajustar no protótipo criado, ou seja, no wireframe. 

Esse processo pode ser feito quantas vezes for necessário e é aplicado em diversos tipos de projetos. 

Por que utilizar wireframes?

Imagine a seguinte situação: você está desenvolvendo um website e passa dias colocando em prática as ideias com sua equipe. No entanto, ao apresentar o resultado, o seu cliente explica que não era o que ele havia imaginado.

Devido a essa situação, você precisará recomeçar e perderá tempo e dinheiro nesse processo. Contudo, ao apresentar um esboço inicial da sua ideia para o cliente, você consegue entender o que ele está esperando e o que pode ou não ser modificado. 

o-que-são-wireframes-mentorama
Wireframes são bastante úteis para profissionais do design, programação e games.

Dessa forma, ao fazer um wireframe logo no início do projeto, você consegue economizar muito tempo em ajustes trabalhosos que teria que fazer depois.  

Em resumo, wireframes são excelentes para planejamento e organização visual de um projeto. De acordo com a Forbes, os wireframes são flexíveis, de fácil entendimento e realistas. 

Na criação de um website, por exemplo, se você está planejando inserir avatares em todas as páginas, ao testar isso em um wireframe primeiro, você consegue observar se funciona ou não e há flexibilidade de mudar inúmeras vezes. Além disso, é fácil de entender como funciona.

Um wireframe fornece uma excelente visão geral do seu design. Você não terá que se preocupar com como ou se os usuários verão o conteúdo em outra página.Por exemplo, em um wireframe, todos os elementos são igualmente importantes e é fácil ver as interações entre eles”, explica a Forbes. 

Como fazer um wireframe?

Uma das grandes vantagens de wireframes é que não há uma regra definida de qual o melhor tipo de esboço. Isso depende do seu projeto, dos seus objetivos e do que se encaixa melhor para você e sua equipe.

Sendo assim, você pode fazer um wireframe excelente que será muito útil apenas utilizando um papel e um lápis. No entanto, há alguns programas que podem te auxiliar nesse processo.

Canva

O Canva é um dos queridinhos para criação de designs e apresentações. No entanto, também é uma boa opção para desenvolver wireframes. Há opção gratuita do programa, mas também uma versão paga para ter acesso a todas as ferramentas disponíveis. 

Softwares da Adobe

Diferentes softwares da Adobe possibilitam a criação de wireframes, como o Adobe Photoshop e Adobe Illustrator. No entanto, há um software específico para isso: o Adobe XD. Para acessá-lo, é necessário assinar o pacote Adobe. 

Axure 

A ferramenta Axure possui muitas funções diferentes para testes e interações. É uma das opções mais recomendadas para quem quer desenvolver um wireframe para um projeto de design de game, por exemplo. 

Há um período de testes gratuito por 30 dias, mas depois é preciso pagar uma assinatura. E se você se interessa por design de games, então confira esse webinar gratuito ministrado pelo designer de games, Gilliard Lopes:

Invision

O Invision é uma opção gratuita e de simples utilização. É prática e útil, pois oferece diferentes elementos para você adicionar em seu wireframe. Além disso, a ferramenta oferece a possibilidade de interação entre os elementos escolhidos. 

Agora que você já sabe o que é um wireframe, como funciona e sua importância, chegou a hora de escolher sua ferramenta e colocar em prática em seus projetos. 

Quer impactar sua carreira? Entre em contato e descubra como podemos te auxiliar.

 

Categorias
Programação

Como criar um aplicativo Android do zero

A linguagem de programação utilizada para desenvolvimento móvel em Android é muito simples, é a popular linguagem Java. Atualmente, o Google tem promovido ativamente o Kotlin como uma linguagem que pode substituir o Java. Além disso, os aplicativos também são escritos em C++.

O desenvolvimento de um aplicativo simples inclui algumas etapas:

  • projeto no Android Studio;
  • criação de uma interface de usuário;
  • adicionar atividades, navegação e ações;
  • testar o aplicativo no emulador.

Ferramentas necessárias

Então, vamos à prática. Antes de tudo, instale o programa Android Studio . É o ambiente de desenvolvimento oficial (IDE) para Android e roda em Windows, macOS e Linux. Ao desenvolver programas para Android, você pode usar outros ambientes além do Android Studio.

O Android SDK é um ambiente de programação que inclui bibliotecas, executáveis, scripts, documentação e muito mais. Se o Android SDK e outros componentes não estiverem instalados no computador, o Android Studio fará o download deles automaticamente.

O Android SDK compila o código, juntamente com quaisquer dados e recursos, em um arquivo .apk . Ele contém tudo o que você precisa para instalar o aplicativo no seu dispositivo Android.

Também é importante instalar um emulador Android para executar e testar aplicativos. O emulador vem junto com o Android Studio .

Quando todas as ferramentas estiverem instaladas, você poderá criar o primeiro projeto. Mas, primeiramente, você precisa entender os conceitos básicos.

Quais os componentes de um aplicativo Android ?

Um aplicativo Android consiste em quatro componentes. Cada componente é um ponto de entrada através do qual o sistema ou usuário pode ter acesso.

  1. Atividade – elementos de uma interface de usuário interativa. As atividades são como páginas da Web e as intenções são como links entre elas. O lançamento do aplicativo é a atividade principal (main).

Uma atividade engaja uma outra e transmite informações sobre o que o usuário pretende fazer por meio da classe Intent.

  1. Serviço – um ponto de entrada universal para manter o aplicativo em execução em segundo plano.
    Este componente realiza operações demoradas ou funciona para processos remotos sem interface visual.
  2. Broadcast receiver – transmite intents de um aplicativo para vários participantes.
  3. Provedor de conteúdo – gerencia o acesso aos próprios dados armazenados ou aos dados de outros aplicativos, além de facilitar o compartilhamento dessas informações. Alguns exemplos são banco de dados SQLite, web ou outro armazenamento. 

Agora, vamos tentar criar nosso aplicativo para Android.

Criação de um aplicativo Android no Android Studio

Passo 1

Selecione o nome do aplicativo, o domínio da empresa, o caminho para o projeto e o nome do pacote. Especifique se deseja ativar o suporte para as linguagens de programação opcionais C++ e Kotlin.

Passo 2

Defina uma ou mais plataformas de destino para a compilação. Para isso, utilize o SDK e o AVD, o Android Virtual Device Manager. A ferramenta permite instalar pacotes no SDK que suportam várias versões do sistema operacional Android e vários níveis de APIs (interfaces de programação de aplicativos).

Passo 3

Selecione a atividade principal que será iniciada quando você clicar no ícone do aplicativo, e dê um nome a ela.

Passo 4

Após alguns minutos, o Android Studio abrirá a interface IDE. Há três pontos principais aqui.

Se você selecionar a visualização Android no menu suspenso, verá os arquivos do projeto. Por exemplo, nossa atividade principal é chamada app > java > ru.skillbox.skillboxapp > FullscreenActivity

Ao criar o projeto, especificamos uma atividade de tela cheia ao invés da atividade Principal .

Em seguida, você pode ver o arquivo app > res > layout > activity_fullscreen.xml . Este é um arquivo de layout XML para a interface do usuário da atividade principal.

Por fim, o terceiro arquivo importante app > manifests > AndroidManifest.xml descreve as características fundamentais do aplicativo e define todos os seus componentes.

Conteúdo do manifesto

<?xml version="1.0" encoding="utf-8"?>
<manifest xmlns:android="http://schemas.android.com/apk/res/android"
    package="ru.skillbox.skillboxapp">

    <application
        android:allowBackup="true"
        android:icon="@mipmap/ic_launcher"
        android:label="@string/app_name"
        android:roundIcon="@mipmap/ic_launcher_round"
        android:supportsRtl="true"
        android:theme="@style/AppTheme">
        <activity
            android:name=".FullscreenActivity"
            android:configChanges="orientation|keyboardHidden|screenSize"
            android:label="@string/app_name"
            android:theme="@style/FullscreenTheme">
            <intent-filter>
                <action android:name="android.intent.action.MAIN" />

                <category android:name="android.intent.category.LAUNCHER" />
            </intent-filter>
        </activity>
    </application>

</manifest>

Execute em um dispositivo real

O aplicativo criado é uma atividade única que é executada em modo de tela cheia e não possui elementos gráficos.

Lançamos em um dispositivo Android ou em um emulador.

Para isso, conectamos um smartphone ou tablet no modo de depuração USB, que é ativado nas  Opções do desenvolvedor no  menu Configurações .

Para executar no emulador, pressione o botão Executar no menu Executar (Shift + F10) no Android Studio. Selecionamos o dispositivo apropriado e a versão do sistema operacional, orientação retrato ou paisagem.

Construindo uma interface de usuário simples

A interface do usuário de um aplicativo Android é criada por meio de uma hierarquia de layouts (layouts, objetos ViewGroup) e  widgets (objetos View).

 Os layouts controlam o posicionamento dos widgets-filhos na tela. Os próprios widgets são componentes diretos da interface do usuário: botões, campos de texto na tela etc.

A interface de atividade é criada no Android Studio no Layout Editor e armazenada principalmente em arquivos XML.

  1. Abra app > res > layout > arquivo activity_fullscreen.xml .
  2. Adicione widgets da paleta (Palette) à tela arrastando o mouse.
  3. Por exemplo, tome um campo de texto (PlainText). Este é um widget EditText onde o usuário pode inserir texto.
  4. Adicione botões e outros elementos necessários.

Adicionando ações, atividades e navegação

Vamos supor que você criou uma atividade com um campo de texto e um botão Enviar. Depois disso, você precisa escrever o que exatamente acontecerá quando você clicar no botão “Enviar”.

  1. Vá para o aplicativo app > java > FullscreenActivity .
  2. Adicione o método SendMessage à classe FullscreenActivity para que, quando o botão for clicado, esse método seja chamado.
  3. Crie intenções (class Intent) para transição de uma atividade para outra, novas atividades, navegação e tudo o que for necessário para a aplicação.

Regras gerais para aplicativos Android

Um aplicativo Android vive em sua própria sandbox (mecanismo de segurança para separar programas em execução), ou seja, que está sujeito às regras de segurança do Linux:

  1. Cada aplicativo é um usuário separado em um sistema Linux multiusuário.
  2. Por padrão, o sistema atribui a cada aplicativo um ID de usuário exclusivo, desconhecido para o aplicativo; todos os arquivos estão disponíveis apenas para este ID de usuário.
  3. Todos os processos têm sua própria máquina virtual (VM), portanto, o código executável é isolado de outros aplicativos.
  4. Por padrão, cada aplicativo inicia seu próprio processo Linux.
Há exceções às regras:
  1. É possível que dois aplicativos tenham um ID de usuário comum para que possam compartilhar arquivos entre si.
  2. O aplicativo pode solicitar permissão para acessar os contatos do usuário, SMS, conteúdo da unidade, informações da câmera e outros dados.

Quer impactar sua carreira? Entre em contato e descubra como podemos te auxiliar.

Categorias
Programação

PHP: uma das linguagens de programação mais demandadas

PHP é uma linguagem de programação de script open source,isto é, de código aberto e  de uso geral. Ela é muito utilizada principalmente em desenvolvimento web, pois pode ser inserida dentro do HTML. 

De acordo com levantamento da W3Tech, 78% dos websites utilizam PHP no lado do servidor. Em resumo, o processamento da linguagem acontece no Back-End (lado do servidor), ou seja, as instruções são processadas no servidor ao qual o website está hospedado. 

Logo, o resultado é enviado ao navegador, que tem como função carregar tudo o que foi processado. Na teoria pode parecer complexo, mas na prática é mais simples do que parece. PHP é uma linguagem conhecida pela fácil acessibilidade.

PHP é uma linguagem conhecida pela fácil acessibilidade.

Por essas razões, PHP é muito valorizada no mundo da programação, especialmente no desenvolvimento de websites, blogs e outras plataformas.

Características de PHP

Grandes empresas ao redor do mundo investem em profissionais com conhecimento em PHP. Mas, por que essa linguagem é tão popular e demandada?

Nós separamos algumas razões que explicam essa popularidade.

Acessibilidade

A linguagem PHP possui uma sintaxe simples, ou seja, é acessível e fácil de aprender, já que é similar a outras linguagens existentes do mercado.

Por exemplo, PHP pode ser utilizada em diferentes metodologias de desenvolvimento como: procedural, que usa funções e métodos e orientada a objeto, que utiliza classes e objetos. 

Código aberto

Uma das razões para desenvolvedores utilizarem PHP é o fato de ela ser um código aberto. Isso significa que qualquer desenvolvedor pode aplicar mudanças na estrutura da linguagem 

Além disso, a licença de PHP permite que se utilize a linguagem sem precisar pagar algum valor por isso. Basicamente, você o download e instala em seu dispositivo e já pode começar a utilizar.

Comunidade conectada

Quem trabalha com programação sabe o quanto é importante ter acesso a uma comunidade conectada que troca ideias, sugestões e está disposta a ajudar. PHP possui uma comunidade muito ativa e várias pessoas desenvolvedoras atuam como voluntárias e oferecem auxílio em dúvidas sobre a linguagem. Além disso, há bibliotecas de códigos PHP disponíveis para serem utilizadas no desenvolvimento de projetos variados. 

Outro ponto importante é que é bem simples encontrar vídeos e tutoriais sobre PHP na internet. Se você quer aprender mais sobre a linguagem, você precisa assistir o webinar gratuito da Mentorama, ministrado pela desenvolvedora Camila Costa.

 

Linguagem eficiente

PHP é uma linguagem muito eficiente e possui um ótimo desempenho. Esses pontos são extremamente importantes em um mundo dominado pelo digital e que requer mudanças nas aplicações feitas por desenvolvedores.

Nesse cenário, PHP funciona muito bem pois oferece estabilidade da aplicação e é integrada com bancos de dados diversos como Oracle, MySql, SQLite, entre outros. 

A linguagem também garante o processamento de grandes volumes de dados e consome poucos recursos do servidor. Basicamente, é tudo que os desenvolvedores procuram, não é mesmo?

Qual o salário para programação PHP?

Segundo o Glassdoor, em uma posição júnior, um programador PHP pode começar ganhando em média R$ 2.561. Por estar em início de carreira, espera-se que esse profissional seja recém-formado ou tenha certificações de cursos na área.

O profissional em um cargo pleno pode iniciar recebendo em média R$ 4.885. Nesse nível, são exigidos de dois a quatro anos de experiência, pois os projetos possuem um nível de exigência maior. 

Programadores PHP seniores ganham em média R$ 7.937, mas encontramos salários que ultrapassam o valor de R$ 9.000. Tudo depende da região, empresa e habilidades profissionais.

Além disso, é importante destacar que a área de programação possibilita o trabalho freelancer, isto é, você trabalha por projeto. Sendo assim, os valores podem ser muito maiores.

Outro grande atrativo é a possibilidade de trabalhar remotamente para empresas do exterior e receber em moeda estrangeira.  

PHP despertou seu interesse? A Mentorama oferece um curso completo sobre PHP, onde você aprende tudo do zero com experts do mercado. 

Quer saber mais? Conheça nosso curso e descubra como podemos te ajudar. 

 

Categorias
Programação

Por que dominar a linguagem de programação SQL?

 

SQL é uma linguagem de programação padronizada utilizada para gerenciamento de bancos de dados relacionais. A sigla deriva do termo em inglês Structured Query Language, que na língua portuguesa significa Linguagem de Consulta Estruturada. 

A SQL foi criada pela IBM na década de 1970 e foi comercializada em 1979. Ela utiliza de conjuntos de palavras-chaves – chamadas de instruções –  para recuperação de bancos de dados.

Apesar de ser uma linguagem de programação mais antiga, ela continua sendo muito utilizada por desenvolvedores, analistas de dados, cientistas de dados, entre outros profissionais que precisam trabalhar com dados relacionais. 

Para que serve SQL?

SQL é utilizado no compartilhamento e gerenciamento de dados, principalmente, aqueles que são encontrados em bancos de dados relacionais, que incluem dados organizados em tabelas. 

SQL é uma linguagem de programação padronizada utilizada para gerenciamento de bancos de dados relacionais.

Com SQL é possível consultar, atualizar e reorganizar dados, assim como criar e modificar a estrutura de um sistema de banco de dados e controlar o acesso a eles. 

Para exemplificar na prática, se você trabalha em uma loja e precisa lidar com dados de clientes, com SQL você consegue armazenar todos os dados de clientes com quem sua empresa já trabalhou e registrar detalhes sobre as vendas.

Isso é muito útil, pois caso seja necessário buscar uma informação específica sobre uma venda em determinado período de tempo ou com um valor determinado, é possível fazer isso através de um banco de dados SQL, que pode recuperar essa informação de maneira rápida. 

Como dominar SQL?

Muitas pessoas acreditam que linguagens de programação são extremamente difíceis de serem aprendidas. Contudo, há linguagens que são mais fáceis do que se imagina.

SQL é uma dessas linguagens. Ela possui uma sintaxe semelhante à língua inglesa. Sendo assim, o aprendizado de SQL é bastante intuitivo. Uma boa forma de começar a aprender a linguagem é focar nos comandos mais simples e, progressivamente,  ir avançando para questões mais complexas. 

Outros pontos positivos de SQL são: alta velocidade, boa portabilidade e o fato de requerer menos escrita de códigos. Nesse sentido, a melhor forma de aprender SQL é na prática.

Cursos online são uma ótima opção para dominar uma linguagem de programação do zero. No entanto, importante focar em cursos que ofereçam atividades práticas e auxílio de profissionais da área.

Uma ótima opção é o curso de SQL da Mentorama que oferece módulos do básico ao avançado, mentor expert do mercado, atividades práticas e projeto final. Quer saber mais? Clique aqui

Mercado de trabalho e SQL

Em um mundo orientado por dados, dominar uma linguagem de programação como SQL é uma grande vantagem profissional. Atualmente, não existe empresa que não precise lidar com grandes bancos de dados. 

Há inúmeras profissões possíveis para quem domina SQL. Uma delas é a ciência de dados, considerada uma das carreiras mais promissoras da atualidade. 

Conforme a Harvard Business Review, ciência de dados é  a profissão mais sexy do século 21. Nesse sentido, o cientista de dados é o profissional que reúne, interpreta e transforma os dados com o objetivo de extrair informações relevantes dos mesmos. 

Quer descobrir mais sobre essa profissão?

Então, assista o webinar gratuito Introdução à Ciência de Dados, a profissão do futuro, ministrado pela cientista de dados do G1, Catarina Zidde.

Por ser uma profissão tão demandada, os salários são extremamente atrativos. Segundo o Glassdoor, um cientista de dados júnior pode começar ganhando em média R$ 5.000. Esse profissional está no início de sua trajetória em Ciência de Dados. Geralmente, é recém graduado ou possui certificações de cursos da área. 

Em um cargo pleno, o profissional pode iniciar recebendo em média R$ 7.861. A experiência exigida nesse nível é de dois a cinco anos, pois a complexidade do trabalho aumenta. 

Cientistas de dados seniores ganham em média R$ 12.000. Contudo, o salário pode passar de R$ 18.000 dependendo da experiência e conhecimentos do profissional.

Tem interesse na linguagem de programação SQL e quer aprender mais? Entre em contato e descubra como podemos te auxiliar nesta jornada!

 

Categorias
Programação

Back-End vs Front-End: quais as diferenças?

Se você já fez algumas buscas e pesquisas sobre programação, já deve ter ouvido os termos Back-End e Front-End. Tais palavras são utilizadas para diferenciar especialidades distintas no mundo de quem programa. 

Para desenvolver qualquer website, aplicativo ou programa, desenvolvedores Back-End e Front-End trabalham em conjunto. Em resumo, essa é uma equipe que não se separa.

O desenvolvedor Back-end atua na estrutura e no apoio às ações do usuário.  O trabalho envolve as aplicações que são desenvolvidas na programação. 

Já o desenvolvedor Front-end é responsável pela implementação dos elementos visuais e UX/UI que garantem a interatividade e funcionalidade do projeto que está sendo desenvolvido.

Para resumir de forma simples, nós podemos dizer que os desenvolvedores Front-end e Back-end são inseparáveis no momento de criação de um aplicativo ou website.

Qual a demanda de programadores Back-End e Front-End?

Não é nenhuma novidade que o setor de tecnologia vivencia um crescimento significativo no mercado. As empresas, organizações e instituições investem cada vez mais em profissionais qualificados em áreas de TI.

Back-End e Front-End apesar de serem funções que não se separam, cada uma delas possui especificidades

Nesse cenário, a programação vive momentos positivos e as expectativas são de um crescimento ainda maior. De acordo com levantamento do Trampos em parceria com a Umbler, a maior procura é por profissionais Full Stack, ou seja, que tem conhecimentos de Front-End e Back-End.

Os desenvolvedores Front-End ocupam a segunda opção com maior busca no mercado de trabalho, em uma porcentagem de 32%. Enquanto isso, os desenvolvedores Back-End estão com 16%.

Quais as diferenças entre desenvolvedor Back-End e Front-End?

Back-End e Front-End apesar de serem funções que não se separam, cada uma delas possui especificidades. Mas, quais são essas diferenças?

Desenvolvimento Back-End

Para começar, Back-End inclui servidor, banco de dados e aplicação. Resumidamente, o “back” de um site é uma parte em que não há contato direto com o usuário. 

O desenvolvedor Back-End atua na construção e manutenção dos componentes para que todas as informações do website ou aplicativo fiquem organizadas e armazenadas de forma correta.

Sendo assim, o trabalho é essencial, pois é o que garante que uma página funcione de maneira eficiente. 

E como isso ganha forma? Desenvolvedores Back-End trabalham com linguagens de programação específicas para desenvolvimento da parte interna de um site ou aplicativo. 

  • Phyton: linguagem de programação de alto nível, foi criada com o objetivo de possibilitar a construção de um código de fácil leitura e utilização. 
  • Java: linguagem de programação utilizada para desenvolver aplicações, sistemas e serviços de alta complexidade, considerada uma das linguagens mais populares entre programadores.
  • JavaScript: linguagem de programação que possibilita a implementação de itens complexos em páginas web.

Se você quer iniciar na área de programação, não deixe de conferir o artigo Programação para iniciantes: dicas de carreira

Desenvolvimento Front-End

Em contrapartida ao Back-End, que não está em contato direto com o usuário, o Front-End diz respeito ao conteúdo que está visível para o público. 

Sendo assim, o desenvolvedor Front-End trabalha para garantir uma boa interação do usuário com o produto.

Dessa forma,  as funções do Front-End envolvem layout, efeitos visuais, estruturação e organização da página.

Quer aprender mais sobre Front-End com um expert do mercado? Então, confira o webinar gratuito ministrado pelo especialista em tecnologias do universo Front-End, Luis Henrique Bizarro.

Entre as competências necessárias para um desenvolvedor Front-End está incluso o domínio de linguagens HTML e CSS para criação de interfaces eficientes. Além disso, assim como para Back-End, a linguagem JavaScript é fundamental. 

Questões de adaptatividade e acessibilidade também precisam ser levadas em conta por esse profissional, pois são elas que possibilitam que uma página seja intuitiva e visualmente agradável em qualquer dispositivo acessado. 

E aí, qual dessas áreas de programação mais te interessou? Back-End ou Front-End? Talvez as duas? Se você quer trabalhar com programação, entre em contato e descubra como podemos te auxiliar.

 

Categorias
Programação

Quais as vantagens de dominar a linguagem de programação C++?

C++ é uma linguagem de programação baseada na linguagem C. Diferente do que muitas pessoas pensam, essa não é uma linguagem recente, ela começou a ser desenvolvida nos anos 1980 pelo cientista de computação dinamarquês Bjarne Stroustrup. 

O principal objetivo para criação da linguagem foi aprimorar a versão do núcleo do sistema operativo portátil Unix. 

No desenvolvimento de C++ foram utilizados elementos de outras linguagens de programação de vários níveis, com o intuito de trazer novos elementos, mas, ao mesmo tempo, não afetar a programação.

C++ pode ser encontrada em praticamente todos os lugares: mecanismos de buscas, produção de filmes, aplicativos e desenvolvimento de jogos.

De acordo com dados do Coding Nomads, C++ está entre as linguagens de programação mais demandadas do mundo, ficando atrás apenas de Python, Java e JavaScript.

Diferenciais da linguagem C++

A linguagem C++ nasceu para ser tão eficiente quanto a linguagem C. No entanto, ela traz novas funções para facilitar o trabalho dos desenvolvedores. 

Dessa forma, a linguagem oferece uma maior liberdade para o programador escolher as opções em que quer trabalhar.

Por ser uma linguagem que deriva de C, os códigos desenvolvidos em C++ são compatíveis com C, ou seja, é muito simples transferir um código C++ para C.

C++ é ideal no desenvolvimento de muitos aplicativos importantes

Em geral, muitos profissionais que trabalham com programação necessitam de ambientes de  desenvolvimento potentes. Contudo, para trabalhar com C++  não é necessário. 

Isso acontece porque porque a linguagem pode manipular diretamente o hardware, isso significa que os programadores podem ajustar o código com eficiência em qualquer ambiente, mesmo quando o espaço de hardware é limitado. 

Como resultado disso, os aplicativos são executados de forma rápida e confiável em vários dispositivos diferentes. Sendo assim, C++ é ideal no desenvolvimento de muitos aplicativos importantes.

Onde a linguagem C++ é utilizada?

C++ pode ser utilizada em uma variedade de áreas como na indústria cinematográfica e indústria de jogos e no desenvolvimento de sites, plataformas e aplicativos. 

Muitos programas e aplicativos famosos utilizam da linguagem C++, como o editor gráfico Adobe Photoshop, o aplicativo de streaming de áudio Spofity, a plataforma de vídeos Youtube e o marketplace da Amazon. 

Desenvolvimento de jogos

Entre as linguagens de programação mais utilizadas no desenvolvimento de jogos, C++ garante o seu espaço. Alguns games bastante conhecidos como World of Warcraft e Counter-Strike usaram de C++ em sua criação.  

Os jogos envolvem inúmeros recursos e funções. Nesse contexto, a linguagem C++ é útil para o desenvolvimento, pois otimiza esses recursos e auxilia os programadores na hora de ajustar como as estruturas de dados e a alocação de memória serão tratadas. 

Quer saber mais sobre desenvolvimento de games?  Então, confere esse webinar exclusivo com dicas para iniciantes ministrado pela Game Programmer na AQUIRIS, Alice Abreu.

Indústria cinematográfica

Cada vez mais a indústria cinematográfica aprimora suas produções para serem mais realistas e atrativas para o público. Os estúdios de animação Pixar e Disney, por exemplo, utilizam a linguagem C++ para produzir inúmeras de suas animações. 

Nessa busca por filmes, animações e séries mais interessantes para quem assiste, essa linguagem acaba sendo muito eficiente na criação de gráficos e efeitos especiais. 

Bancos de dados

C++ também pode ser utilizada na construção de ferramentas de bancos de dados populares como MongoDB e MySQL. 

Esses bancos de dados são essenciais para muitos aplicativos como Youtube, Netflix, Spotify, Adobe e Google. 

A linguagem C++ é ideal para a estruturação e armazenamento desses bancos de dados.

Ficou interessado na linguagem de programação C++ e quer aprender mais? Entre em contato e descubra como podemos te auxiliar nesta jornada!